segunda-feira, 2 de janeiro de 2023

Não ao terrorismo.

                                                                                                                                                                                                           *Cesar Vanucci

                       “Não há espaço no Brasil democrático para atos terroristas”                                                                                             (Rodrigo Pacheco, Presidente do Senado)

 

Chega! Assanha contestatória miliciana já ultrapassou todos os limites toleráveis. Indignada e atônita, a opinião pública põe-se à espera de que os órgãos competentes adotem, o quanto antes as providencias legais cabíveis para refrear e punir severamente o grupúsculo de fanáticos políticos engajado no impatriótico complô contra o Estado democrático de direito. A sociedade brasileira, de índole pacífica e vocação democrática, recusa a condição de refém indefeso que as ações terroristas recentes pretendem atribuir-lhe.

A democracia é benevolente e tolerante, às vezes até indulgente e condescendente. Defende a liberdade, a igualdade, a diversidade não rima com tudo, jeito maneira com fanatismo, fundamentalismo, totalitarismo, terrorismo. Rechaça, com veemência, essas formas pervertidas de negação dos direitos fundamentais que conferem dignidade a aventura humana.

O leitor já imaginou a proporção da catástrofe que teria ocorrido, no aeroporto de Brasília, no santo dia de Natal, caso a bomba armada no caminhão com 60 mil litros de combustível não tivesse sido desativada a tempo? Já imaginou também o tamanho da tragédia que poderia ter resultado da insana tentativa de lançar do alto de um viaduto ônibus sobre uma via pública atulhadas de veículos em circulação? Como lembra a escritora Márcia Tiburi, alvo de ameaças de empedernidos adeptos da corrente do ódio político, “o show diário de fanatismo, estupidez e paranoia desse universo paralelo tem que acabar...” Tem que acabar mesmo! Dentro de poucos dias dar-se a posse solene do Presidente Lula e do vice-presidente Alckmin, escolhidos pelos brasileiros, em memorável disputa eleitoral, de lisura insofismável, louvada internacionalmente, para conduzir seus destinos pelo próximo quatriênio. Tudo indica que será festa cívica magnífica, com ampla participação popular e presença de influentes  lideres mundiais em numero avultado nunca dantes registrado em cerimônia do gênero. Artistas consagrados se ofereceram para apresentações em espetáculos que se estenderão pelo dia todo, em sinal de regozijo pelo significado democrático do evento. Os olhares da gente do povo estarão focados, com entusiasmo e esperança no ritual protocolar que inaugurará um novo e promissor marco na gestão dos negócios administrativos da Nação.

Por culpa dos terroristas os esquemas de segurança estão sendo naturalmente reforçados. “terroristas não vão emparedar a democracia”, assegura com firmeza e confiança, o futuro Ministro da Justiça, Flavio Dino.

 A propósito das provocações terroristas e golpistas, voltadas para o propósito de tumultuar a magna festividade do dia 1°, o senador Rodrigo Pacheco, Presidente do Senado e Congresso, tornou pública declaração de que “Não há espaço no Brasil democrático para atos análogos ao terrorismo”. Acrescentou ainda: "As eleições se findaram com a escolha livre e consciente do presidente eleito que tomará posse no dia 1º de janeiro. O Brasil quer paz para seguir em frente e se tornar o país que todos nós desejamos. A reconciliação nacional, a volta de um ambiente de equilíbrio, de ponderação e de sensatez é fundamental. Questionamentos indevidos, crises que não precisam ser geradas, têm de ser combatidas".

 A grande maioria dos brasileiros pensa como o Presidente do Senado. Estranha bastante o silêncio sepulcral dos atuais mandatários do poder diante dos ignominiosos acontecimentos em Brasília. E coloca-se na expectativa de que as investigações em andamento proporcionem rápida elucidação dos fatos com o enquadramento criminal de todos os envolvidos, além do terrorista já encarcerado.

 

Jornalista (cantonius1@yahoo.com.br)

Nenhum comentário:

A SAGA LANDELL MOURA

Testemunho implacável (I)

*Cesar Vanucci *   “As Testemunhas de Jeová deixaram com a posição assumida, no campo de concentração nazista, um testemunho de hero...