sexta-feira, 24 de novembro de 2023

Poema de Alcéa para Olavo Romano


O "Blog do Vanucci" estampa o belo e comovente poema composto por Alcéa Romano celebrando a memória de seu saudoso irmão, Olavo Romano, alguém que deixou marcas inapagáveis na vida cultural das Gerais.  



"Olavo contou caso novo, e de novo, inovou. 

Falou do tio, da mãe, do avô. Dos netos e dos filhos do senhor Nonô. 

Do tempo, da vida, da graça, da praça, do povo, da Vila. E o semblante de todos abrandou. 

As palavras, as letras, a fala, abraçou, Buscou, perguntou, conversou, se entregou. Recebeu, agradeceu, repartiu, ofereceu este dom como prece. 

Buscou nas estrelas, o que aqui não encontrou. Partiu pra mais longe. No plano Divino, foi refazer sua história.     

E nós aqui, coração batendo e guardando o Olavo na memória. "


                               (Alcéa Romano) 

O seu sorriso sempre foi a sua melhor marca



Resposta vigorosa do Governo



    *Cesar Vanucci

“A verdade é que os maiores males são criados e arquitetados em escritórios, atapetados, refrigerados e bem iluminados por homens de colarinho branco” (C.S Lewis, romancista irlandês)

 

 A opinião pública acompanha, com especial interesse, torcendo para que tudo dê certo, as ações articuladas pelas autoridades competentes no sentido de reprimir, com o rigor que se impõe as atividades ilícitas das milícias cariocas e, por extensão, as ramificações do crime organizado no restante do país. As informações acerca do entrosamento das forças de segurança, inclusive com a participação de militares do Exercito, Aeronáutica e Marinha em pontos estratégicos no combate aos grupos mafiosos que infernizam a vida nos grandes centros foram recebidas com boa expectativa e geral agrado. O mesmo aconteceu, igualmente, no tocante ao anuncio de que órgãos de controle financeiro estarão contribuindo com sua experiência na linha de frente desse saneador combate. De tais organismos aguardam-se, esperançosamente, medidas capazes de promover o estrangulamento dos esquemas financeiros montados pelas organizações que operam, por assim dizer, na clandestinidade.

 Com efeito, acessando movimentações financeiras e aquisições suspeitas, valendo-se de instrumentos de Inteligência, os setores engajados na missão de desmantelar as estruturas mafiosas colherão, sem sombra de dúvida, frutos bastante positivos.

 É com dissabor muito grande que a sociedade toma conhecimento, volta e meia, de casos estarrecedores derivados da atuação desembaraçada, praticamente fora de controle das famigeradas milícias. Além da liberdade que desfrutam para transformar bairros inteiros, sobretudo no Rio, em feudos para negócios escusos, elas agora se dedicam, como revelado pela PF, a empreendimentos imobiliários em regiões de turismo sofisticado. Assestando o radar da fiscalização e vigilância em transações bancárias, em aquisições de peças, máquinas, utensílios utilizados em obras suspeitas, os investigadores conseguirão, por certo, chegar às derradeiras consequências no combate eficaz ao crime organizado. A eliminação dos quadros efetivos da policia carioca dos elementos comprometidos com as milícias é providência sumária indispensável dentro do conjunto das ações arquitetadas pelo Governo Federal e pelo Governo do Rio de Janeiro. Tudo que se anunciou está sendo visto como resposta oficial vigorosa ao crime organizado.

 

2) Inventário de bens expropriados -  Com essa, falar verdade, ninguém contava. O CNJ (Conselho Nacional de Justiça) acha-se empenhado neste momento em inimaginável inventário. Interessa-se por saber do paradeiro de bens tomados em arresto, por decisões judiciais, no curso da assim chamada operação Lava Jato. Está ocorrendo, ao que tudo indica, alguma  dificuldade em precisar qual o destino dado a ativos de grande valor pecuniário expropriados de graúdos emaranhados nas teias da corrupção. Segundo consta, fazem parte dos bens arrolados nas diligências em andamento, veículos de luxo, embarcações, obras de arte. Chegou a ser divulgado, ainda outro dia, que algumas pinturas e esculturas tinham sido doadas a museus de arte. Existe certa preocupação de que muitos itens estejam ainda sob guarda de órgãos públicos à espera de leilão ou providencia assemelhada. A questão foi trazida a lume na semana passada, havendo quem recordasse um episódio cabuloso, de muitos anos atrás, registrado na muy leal e heroica cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro. Dois veículos de luxo desapropriados foram localizados na garagem do magistrado que conduzia o feito judicial. Um piano estava na casa do vizinho do juiz.

 

Jornalista (cantonius1@yahoo.com.br)

Rio das narco-milícias

 


Rio das narco-milícias

*Cesar Vanucci

“Enfrentar as milícias é tarefa libertadora.” (Ministro Flávio Dino)

 O calamitoso estado de coisas reinante no Rio de Janeiro das milícias fora de controle é de molde a produzir calafrios na espinha dorsal do mais insensível mortal. Cuidemos de recapitular algumas chocantes passagens da enormidade de desatinos cometidos pelos milicianos. Noutras palavras: bandidos da pior espécie, boa parte deles egressos da banda podre da polícia, amparados ou tolerados por políticos inescrupulosos e gente engravatada de índole perversa.

 Num atentado que comoveu a nação, a Vereadora Marielle Franco foi assassinada junto com seu motorista, Anderson Gomes. Cinco anos passados o que se sabe a respeito do delito é que o autor dos disparos é miliciano, morador de vivenda suntuosa num condomínio de alta sofisticação. Numa propriedade do dito cujo, foi encontrado – pasmo dos pasmos! - um arsenal contendo grande quantidade de fuzis-metralhadoras. Os autores intelectuais do atentado ainda não foram identificados, em que pesem as reiteradas manifestações de que isso estaria (sempre) prestes a ocorrer. Chefe de grupo de extermínio, foragido após haver recebido homenagem na Assembleia Legislativa carioca, perdeu a vida, num confronto com policiais da Bahia. Era comparsa do assassino da Vereadora.

 Médicos participantes de um congresso foram alvejados mortalmente por pistoleiros de aluguel, nas imediações do hotel em que se hospedavam. Policiais explicaram que eles tinham sido assassinados por equivoco. O alvo mirado era um miliciano rival de uma facção que disputa poder territorial. A história tornou-se mais desconcertante e assustadora quando a policia revelou que os corpos dos assassinos dos médicos haviam sido encontrados com perfurações de balas num local ermo, pouquíssimas horas depois do ocorrido. Acerca dos autores intelectuais e dos detalhes dessas operações misteriosas nenhuma revelação mais veio a furo.

  Mais calafrios na espinha – delegados e agentes auxiliares apreenderam volumoso carregamento de drogas ilícitas. Transportaram o material para a repartição policial. Estabeleceram ali mesmo contatos com milicianos interessados na “mercadoria aprendida”. Entregaram-na, sobescolta da delegacia, para que fossem comercializadas. Outra ocorrência com características análogas, incriminando também policiais cariocas, foi desbaratada pela Policia Federal.

 Uma fábrica clandestina de fuzis fechada em Minas atendia regularmente encomendas das milícias, com entregas feitas numa mansão luxuosa na Barra da Tijuca.

 Diligencias dos Federais e do Ministério Público resultaram na detenção de milicianos que tinham como “prestimosos” guarda-costas policiais da ativa. Utilizavam armamentos das corporações a que (dês) serviam.

  Parte de armas potentes roubadas de um arsenal do exercito em São Paulo foi localizada, por policiais do Rio em veículo abandonado, numa zona controlada pela milícia. Não se sabe como chegaram até lá.

 Reagindo com inusitado furor a uma ação policial que resultou na morte de um parente de “miliciano graduado”, os aguerridos integrantes de uma das máfias que operam em bairros inteiros atearam fogo em 35 ônibus, afetando enormemente a vida dos habitantes das regiões urbana e suburbana. Os quadrilheiros chegaram ao cúmulo de paralisar o metrô.

  Nas amplas áreas em que atuam, as milícias constroem, vendem e alugam habitações, tem o controle de transporte, cobram “taxas de proteção”, exploram serviços essenciais, como eletricidade, água, internet e gás. E ai de quem ouse recusar tão “prestimosa” ajuda.

 De algum tempo para cá, as milícias entraram para valer no ramo das drogas.

 O tema comporta novas considerações.  

 

Jornalista(cantonius1@yahoo.com.br)

Ai de ti, Rio!

 



Cesar Vanucci *


"Brasil, tira as flechas do peito de meu padroeiro que São Sebastião do Rio de Janeiro pode ainda se salvar."(Aldir Blanc, em “Saudades da Guanabara”)

 

 Publicado há mais de 10 anos, este comentário conserva-se doridamente atual.

O que diferentes administrações de notória ineficiência, mafiosos e bandoleiros de diversificados matizes, policiais despreparados ou corruptos e políticos inescrupulosos ou desprovidos de espírito público andam aprontando, não é de hoje, com a mui leal e heróica São Sebastião do Rio de Janeiro, só pode ser mesmo classificado de crime de lesa-pátria. Sou de um tempo e pertenço a uma geração que aprendeu a cultuar o Rio como o segundo rincão natal de cada brasileiro. Mesmo daqueles patrícios que só o conheciam à distância. Melhor dizendo, daqueles compatriotas que se extasiavam com a soberba composição entre a Natureza e o engenho humano refletida na cidade, sem nunca ter tido a chance de contemplar de perto as belezas sem par, da cidade de encantos mil, cidade maravilhosa, coração do Brasil, cantada na imortal melodia de André Filho.

 Comprovo em depoimentos anotados por  Paulo Rónai,  que a magia do Rio é de tempos imemoriais, de abrangência universal. Vejam só o que a visão estonteante da paisagem arrancou de Bocage: "Pus, finalmente, os pés onde murmura / o plácido janeiro, em cuja areia / Jazia entre delícias ternura." Apolinário Porto Alegre, nas "Brasilianas", não faz por menos: "Vi dez sólios; oitenta e seis cidades / Vi as do engenho humano maravilhosas / Pelas artes criadas em mil anos / Mas meus olhos não viram quem te iguale / Divina Guanabara, em teus encantos.”

 Com certeira certeza, emoção parecida arrastou Paul Claudel a dizer que "o Rio é a única grande cidade que não conseguiu expulsar a natureza.". Ou Genolino Amado a proclamar, deslumbrado, que os panoramas cariocas, inundando o coração da gente, fornecem a sensação do mundo em festa. Ou ainda Carlos Lacerda a garantir ser o Rio uma admirável síntese brasileira, cidade onde existe a idéia de que a amizade é força essencial à vida, arrematando assim a definição de um Rio presente na saudade e na veneração dos brasileiros: "O que no Rio por dinheiro nenhum se consegue, com uma boa palavra se alcança. Ou um palavrão, dito com ternura.”.

 Esse Rio lindíssimo, terno, de imagens que comportam tantas grandezas, de abrasador calor humano, sinopse vibrante do sentimento nacional, parece não existir mais. Parece estar sucumbindo diante das flechadas letais disparadas pela violência e insensatez desabridas, estimuladas pelo despreparo e falta de criatividade governamentais no enfrentamento da bandidagem e corrupção.

  No passado, tomava-se conhecimento com sintomática freqüência de casos de conhecidos que se ligavam pela vida afora, movidos por contagiante entusiasmo, ao sonho dourado de terminar seus dias, à hora merecida da aposentadoria, na assim denominada cidade-maravilhosa. Que diferença de hoje, santo padroeiro!  Que diferença destes tempos ignominiosos das quadrilhas de traficantes; das milícias corruptas de policiais; de unidades pacificadoras, nem sempre lamentavelmente “pacificadoras”; das balas extraviadas, das rajadas luminosas mortíferas que enchem de pavor ruas, residências, estradas, bairros inteiros e que inspiram nas pessoas, ao reverso, a ânsia de sair à cata de outros refúgios para terminar os dias de forma que não renda notícia dolorida em canto de página policial.

 Os acontecimentos dos tempos cariocas dizem respeito a todos os brasileiros. O Brasil tem o direito e o dever de agir, se preciso for até com intervenção federal. O Rio de Janeiro precisa se desfazer de suas mazelas. Continuar lindo, para desfrute da humanidade. É preciso que surjam pessoas interessadas em arrancar as flechas do peito do padroeiro, para que São Sebastião do Rio de Janeiro possa ainda se salvar, como é dito na belíssima canção de Aldir Blanc.

 

* Jornalista (cantonius1@yahoo.com.br)


Nada disso

 



*Cesar Vanucci

“Quantas maçãs caíram na cabeça de Isaac Newton (lei da gravidade) até que ele entendesse os sinais?” (Robert Frost, poeta estadunidense, falando dos sinais transmitidos continuamente para que o homem entenda seu papel na aventura da vida)

 

 Nada disso por aqui! Nada de antissemitismo. Nada de islamofobia. Nada de rejeição preconceituosa talebanista contra ideias e modo de pensar religioso e político das pessoas. Nada de ódio solto contra comunidades étnicas. Nada de agressões, depredações, pichações, arruaças tendo por  alvo sinagogas, mesquitas, ou qualquer outro lugar sagrado erigido com o sublime fito de proporcionar diálogos dos homens com a Divindade. Agindo com modelar eficiência, utilizando adequadamente os serviços da Inteligência, a Polícia Federal conseguiu desbaratar, no nascedouro, trama criminosa arquitetada contra a comunidade judaica por elementos recrutados, ao que se divulgou, por um grupo terrorista internacional. O país inteiro experimentou uma sensação de alívio ao tomar conhecimento daquilo que poderia vir a acontecer, mas que, afortunadamente foi abortado pela ação policial.  O Brasil preza muito sua democracia, sua liberdade religiosa. Encontra nas práticas ecumênicas suporte vigoroso para o exercício da cidadania. Tem dado demonstrações exuberantes de sua repulsa às manifestações extremadas de quaisquer matizes. Sua valorosa gente compreende admiravelmente, melhor do que em outras partes do planeta, que a salvação do homem, a solução dos problemas aflitivos da humanidade não vêm das lateralidades ideológicas incendiárias, mas do Alto. Nada disso por aqui!

Sinais - Alerta vermelho ligado em todos os cantos do mundo. A colossal encrenca climática acena com perspectivas funestas num prazo cada vez mais curto. Os sinais de alerta rebentam por toda parte. Os negacionistas de carteirinha, com seu fundamentalismo pré-histórico, olham a questão com desdém. Mais contundente ainda é a diferença das lideranças face às ameaças cada vez mais próximas e ruidosas. No entanto, como assinala o poeta Robert Frost, é preciso atentar para os sinais. Lembra ele: “Quantas vezes trovejou até que Benjamim Franklin (inventor do para raio), compreendesse os sinais?” O que anda ‘trovejando” por esse mundo do bom Deus onde o tinhoso costuma botar banca, sei não...

Dino - Visto com simpatia pela opinião pública por conta do desempenho à testa do Ministério da Justiça, Flávio Dino é também admirado pela fluência verbal e agilidade de raciocínio nos debates de que participa. “Indoutrodia” foi arguido por um adversário político sobre caluniosa suposição da existência de um pacto das autoridades governamentais com o “crime organizado”. Sem titubeios reagiu com afiada sutileza à destemperada observação: - “Não conheço nenhum miliciano. Não sou amigo de miliciano. Nunca contratei miliciano. Nunca contratei mulher ou filho de miliciano. Nunca homenageei miliciano. Não sou vizinho de miliciano.” Segundo jornalistas que acompanharam o diálogo, depois desta fala nada mais foi dito e nem lhe foi perguntado. Apreciada jornalista Natuza Nery contou outro sugestivo episodio referente ao citado personagem. Comentando possível inclinação do Presidente Lula em manter Dino na pasta da justiça, não o indicando para a vaga no STF, Natuza usou conhecido jargão jornalístico: “Dino, no que tange ao Supremo já subiu no telhado...” no minuto seguinte às gargalhadas, ela revelou que acabara de receber mensagem do próprio dizendo: “espero que exista no telhado uma escada para que eu possa descer tranquilamente”.

Jornalista(cantonius1@yahoo.com.br)

 

sábado, 4 de novembro de 2023

Nada de novo no front

 


  *Cesar Vanucci

Não importa os motivos da guerra, a paz ainda é mais importante do que eles.” 

(.Roberto Carlos.)

 

Nada de novo no front. Tudo como dantes no quartel de Abrantes. Estas expressões podem soar, por vezes, como indicativo de que uma situação indesejada esteja sendo posta sob relativo controle. Mas não é bem assim quando aplicadas em narrativas alusivas ao horrendo conflito que monopoliza na atualidade as manchetes do mundo inteiro. Não está havendo nas frentes de luta entre as forças de segurança do Israel e as milícias terroristas localizadas na Faixa de Gaza nada que não seja morte violenta e destruição irreparável. Os belicosos contendores fingem não ouvir o clamor universal. Recusam-se a libertar inocentes reféns, idosos e crianças em boa parte. Não se sensibilizam nadica de nada com o drama angustiante dos milhares de cidadãos palestinos e de muitas outras nacionalidades, que querem deixar a região sitiada. Não se comovem com as notícias aterrorizantes do numero de mortos e feridos, entre estes últimos pessoas largadas à própria sorte devido ao colapso do sistema de saúde. Não se incomodam com as inacreditáveis informações da ONU, da OMS, dos correspondentes das agencias jornalistas, da Cruz Vermelha, acerca da carência absoluta de alimentos, medicamentos, água, eletricidade, moradias dos mais de dois milhões de seres humanos acossados pela metralha mortífera em estreita faixa territorial, sem saídas à vista para escapar do horror.

 A opinião publica mundial confessa-se atônita com o que vem acontecendo no Oriente Médio. Na Assembleia Geral das Nações Unidas uma maciça maioria de países, mesmo sabendo que sua manifestação não possui força deliberativa, recomendou, lucidamente, uma trégua no sanguinolento conflito para providências humanitárias e debates que possam conduzir a uma solução da questão crucial inserida no pano de fundo das discordâncias existentes entre as partes. No conselho de segurança, o Brasil conseguiu encaixar uma proposta na mesma linha. Toda via esta proposição acabou se tornando ineficaz diante do veto desprovido de fundamentos dos Estados Unidos. Os EUA fazem parte do quinteto que se arvora em exercer incompreensível tutela dentro da ONU, sobre o resto do mundo.

 O Papa Francisco e outras clarividentes lideranças mundiais tem sido unânimes em mostrar que o terrorismo e a guerra são instrumentos do mal, degradando os valores supremos que alicerçam a evolução civilizatória. Tais manifestações de peso considerável como expressão do sentimento universal, não conseguem varar as fortificações dos “senhores da guerra”, imperturbáveis em sua disposição de não ensarilhar armas.   

 O jeito para os que conservam acesa a esperança na interrupção dessa porfia amalucada é meditar e rezar. E também apelar para que um súbito e abençoado lampejo de bom senso brote na consciência dos que ditam as ordens para matar e destruir, levando-os a se convencerem da necessidade de uma trégua e a admitirem, mais adiante de que fora da paz não há salvação, como proclama a cátedra de São Pedro.

 

2) Milei - Apontado como um “anarco-capitalista”, seja lá o que isso signifique, o economista Javier Milei, candidato à presidência da Argentina, segundo colocado nas pesquisas, promete horrores, caso bafejado pela vitória nas urnas. Pretende fechar o Banco Central, os Ministérios da Educação e da Saúde, romper relação com o Vaticano e com a China, acabar com o peso e dolarizar a economia, sair do MERCOSUL. De quebra faz considerações pouco lisonjeiras ao papa Francisco, ao Brasil e ao Presidente Lula. Observadores políticos têm como certo que após a eleição do dia 30 vindouro, Milei envergando vistosa camisa de força será reconduzido ao manicômio na Calle Florida.

 Jornalista(cantonius1@yahoo.com.br)

ONU, votos e vetos.

                                                                                             *Cesar Vanucci

“O veto é um míssil contra a democracia”(Domingos Justino Pinto, educador.)

 

A ONU foi instituída em 1945 com o louvável escopo de proporcional representatividade política ao sentimento universal. Nascida logo após a 2° guerra mundial, vem cumprindo, a trancos e barrancos, sua importante missão, dentro de um mundo permanentemente conflagrado. Promove ações positivas em diferentes frentes, por intermédio de agências que se destacam por iniciativas de fomento econômico e social. Um bom exemplo disso está na ajuda prestada aos refugiados. Ou seja, às multidões sem eira nem beira das diásporas modernas produzidas pela ferocidade bélica dominante em tantas paragens deste belo e maltratado planeta azul.

O desempenho da Organização, por mais bem intencionadas que sejam as causas abraçadas, nem sempre, desventuradamente, gera resultados a pleno contento dos Estados-membros.

Os efeitos adversos registrados em algumas decisões tomadas ou recomendadas pelos órgãos executores das políticas das Nações Unidas derivam, não poucas vezes, de posicionamentos de países dominados por pretensões hegemônicas, ou por interesses geopolíticos camuflados. A modalidade de votação adotada, desde a fundação do Órgão é fator de peso nas frequentes dificuldades em se achar portas de saída para questões tormentosas, de se chegar a consensos construtivos em discussões e confabulações de relevância social, política e humanitária. Acontece que os estatutos da ONU atribuem o “direito de veto” monocrático a cinco países no meio do amplo conjunto das Nações representadas no Organismo. Isso quer dizer, que Estados Unidos, Rússia, China, França e Inglaterra – países aquinhoados com essa desajuizada prerrogativa - detém isoladamente o poder de neutralizar fulminantemente qualquer resolução aprovada pela maioria, ou até pela totalidade dos demais países com assento na Instituição.  

A circunstância apontada levanta, naturalmente, dúvida atroz quanto à legitimidade deste procedimento, sob os refletores democráticos. Como explicar algo assim, de escancarada característica autocrática como norma a que se devam os Estados-membros se submeterem numa Organização que proclama os valores excelsos da democracia e da vivencia humanística?

No caso do bestial conflito que ensanguenta o Oriente Médio, assistimos a uma demonstração frisante da força demolidora do veto. A diplomacia brasileira, com a costumeira competência, depois de exaustivas conversações, propôs numa resolução no Conselho de Segurança da ONU a imediata libertação dos reféns, o cessar fogo temporário, corredores humanitários para assistirem aos civis, mesa de negociações para definir o impasse acerca da implantação do Estado da Palestina, ao lado do Estado do Israel. Um único voto contrário, com força de veto derrubou a sensata proposta. Outras propostas com menor número de votos a favor foram também inviabilizadas por conta de vetos. Cabe ainda ressaltar outro lance incompreensível amiúde anotado nas relações da ONU com os países associados. Alguns deles se recusam, obstinadamente, a acatar resoluções aprovadas. A recusa, não implicando em sanções, deixa a proposta vazia.

Mais cedo ou mais tarde, como deseja a diplomacia brasileira com apoio majoritário na Assembleia Geral, essa desconcertante situação terá que ser equacionada para que a ONU possa executar com perspectivas melhores de êxito o seu relevante papel.

No front da guerra à hora em que essas considerações ganham forma, as coisas continuam de mal a pior, numa apavorante escalada. Nada de reféns libertos. nada de canhões silentes. Nada de civis adequadamente protegidos. Nada de fronteira aberta para quem queira escapar dos obuses.

 

 Jornalista(cantonius1@yahoo.com.br)

O horror da guerra visto daqui (III)

 

 

                                                                                                  Cesar Vanucci 

Olho por olho, e o mundo acabará cego” (Mahatma Gandhi)

 

A atuação magistral do Ministério das Relações exteriores do Brasil na ONU e demais plenários onde se debate o horrendo conflito do Oriente Médio, somada à impecável performance da nossa FAB e dos nossos diplomatas no repatriamento de compatriotas nas zonas conflagradas estão sendo objeto de compreensível louvação por parte da comunidade internacional. O tom pacifista das intervenções, a disposição solidária para com as partes alvejadas, o resoluto propósito de alcançar com eficácia os alvos pretendidos, evidenciados nas ações promovidas por esses nossos denodados patrícios, projetam admiravelmente a índole e o sentimento humanitário que povoam a alma nacional.

 

 Todas as circunstâncias apontadas arrancam da memória velha de guerra deste escriba uma emblemática citação feita, há tempos, pelo famoso sociólogo italiano Domenico de Mais, recentemente falecido. Com efeito, falando de seu encantamento pela vocação humanista de nossa gente, ele assim se expressou: “Ninguém bombardearia as Torres Gêmeas, se elas estivessem localizadas no Brasil”.

 

  Voltemos. Agora, o foco das atenções para o horror da guerra ainda sem perspectivas de acabar, à hora em que redigimos esse texto. Deploravelmente o clamor humano e os apelos sensatos dos homens e mulheres de boa vontade nos mais diferentes rincões deste planeta azul para que cessem imediatamente a abominável porfia bélica não têm encontrado a acolhida almejada por parte dos contendores. O coro de vozes proclamando a necessidade da paz, a possibilidade de “pausas humanitárias”, a criação de corredores por onde possam chegar às multidões sitiadas artigos de subsistência básica, inclusive combustível para geradores dos hospitais colapsados, não conseguem sensibilizar “os senhores da guerra”. Como não conseguem igualmente convencer os setores engalfinhados no morticínio e destruição, da urgência da libertação de inocentes reféns e da interrupção dos disparos de mísseis. O extremismos radicais recusam-se a por fim na violência, não importa a dimensão da catástrofe humanitária que se desdobra diante dos olhares perplexos de todos. A retórica exaltando a excelência da paz tem sido intensa, mas nenhuma atitude decisiva foi ainda tomada, passando-se da teoria para a prática. Minorias belicosas fazem prevalecer, sobre maiorias bem intencionadas e com lúcida compreensão da geopolítica concebida pelos amantes da paz, posições intolerantes, negacionistas, de primitivismo ideológico assustador. Tais minorias, de um lado negam a existência legitima do Estado do Israel. De outro lado, fazem de tudo para que o Estado da Palestina não seja implantado. Desafiam, despudoradamente, abertamente, a ONU, o entendimento consensual das Nações.  Por tão execrável motivo os horripilantes dramas da guerra a que estamos assistindo, impotentes e angustiados, continuam, maleficamente para a condição humana, a se sobreporem às discussões acaloradas das mesas de negociações diplomáticas. É aí que as diferenças, pendências, tensões, divergências, deverão ser lançadas de maneira a se encontrar porta ampla de saída para a crise política e a tragédia humanitária que assolam uma parte do mundo sob o olhar permanente de todos os viventes, não importa sua nacionalidade, sua etnia, sua crença.

 Por derradeiro, uma palavra sugestiva do Papa Francisco: “O terror e a guerra só causam morte e destruição.”

 

Jornalista(cantonius1@yahoo.com.br)

A SAGA LANDELL MOURA

O Arcebispo e o governador.

       Palácio da Liberdade - BH                                     Governador Magalhães Pinto         DOM Alexandre Amaral                ...