segunda-feira, 17 de outubro de 2022

Nunca, jamais, em tempo algum...

 

Nunca, jamais, em tempo algum...

                                                                             *Cesar Vanucci

 

“É loucura, mas há um método” (Shakespeare)

 

“Isso é intriga da oposição, outra fake”.  Esta foi, num primeiro momento, nossa reação diante da notícia do incidente ocorrido em Aparecida. Mas, pouco depois, confrontando imagens estampadas na TV, demo-nos conta do equívoco cometido na avaliação do fato. O que se passou, em recinto sagrado, na celebração consagrada a Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil, provocado por desordeiros travestidos de militantes políticos, foi uma algazarra que aviltou a consciência cristã e o sentimento cívico da Nação. Jamais, em tempo algum, assistiu-se no país a uma cena tão desrespeitosa a valores tão caros à devoção marial de que se acha saudavelmente impregnada a alma popular. Ao redor do candidato de sua preferência, num arremedo de comício, impróprio para o lugar e ocasião, emitindo aos berros, frases ensaiadas de campanha política, os apoiadores de Jair Bolsonaro tiveram o desplante de vaiar na porta da Basílica, o arcebispo Dom Orlando Brandes no instante solene em que era proferida a homilia evocativa da consagração à Padroeira. Os apupos ecoaram estridentemente à hora em que o prelado pedia a proteção divina para os pobres, para as crianças, para os que têm fome. Não satisfeitos com tanto abusos, os desordeiros partiram para intimidações a integrantes da equipe da TV Aparecida. Tudo isso se processou durante romaria à Basílica que reuniu incalculável multidão de devotos. No púlpito, debaixo de aplausos estrepitosos, um sacerdote explicou que a data era dedicada a pedidos de bênçãos, não de votos. O desvairado procedimento causou impacto negativo junto a opinião pública, motivando manifestações de indignação em todo seguimento da sociedade.

 Outro episódio que vem causando penosa  impressão no espírito popular diz respeito a uma denuncia feita, em Goiânia pela Senadora eleita Damares Alves, ex-Ministra de Estado. Ela declarou que na Ilha de Marajó crianças, inclusive recém-nascidos foram vítimas de horripilantes crimes de pedofilia. O governo do Pará, os Ministérios Públicos Federal e Estadual, a Secretaria de Segurança daquele estado, órgãos de direitos humanos estão reclamando provas da escabrosa denuncia. Damares havia alegado possuir provas, entretanto, agora alega apenas ter ouvido dizer que isso teria sucedido. Jornalistas brasileiros estão informando que uma história parecida, reconhecida posteriormente como fake, foi intensamente propagada nos Estados Unidos contra Joe Biden, na campanha de Donald Tramp. Parece maluquice, mas há um método.

Nenhum comentário:

A SAGA LANDELL MOURA

A eternidade de JK

                                                                                                                              *Cesar Vanucci...