sexta-feira, 24 de janeiro de 2020

Será o DNA um biocomputador?

Cesar Vanucci

“Conhecemos nadica de nada dos
prodígios que o ser humano carrega.”
(Antônio Luiz da Costa, educador)

Amigo fraternal, conceituado profissional na área médica, “sabedor” de meu interesse “por temas desse gênero”, encaminha-me sugestivo texto sobre uma pesquisa de vanguarda. São revelações instigantes acerca de insuspeitadas propriedades atribuídas ao DNA, capazes, em teoria, de alterar conceitos tradicionais vigentes nas metodologias empregadas na assistência à saúde.

Considerei oportuno compartilhar com o culto leitorado as informações passadas. Ei-las: “Cientistas revelam: DNA possui funções mediúnicas - telepatia, irradiação e contato interdimensional! “Nosso DNA é um biocomputador”, dizem cientistas russos.

Pesquisas científicas tentam explicar fenômenos como a clarividência, a intuição, atos espontâneos de cura e autocura e outros.Quando os cientistas começaram a desvendar o mundo da genética, compreenderam a utilidade de apenas 10% do nosso DNA.O restante (90%) foi considerado “DNA lixo”, ou seja: sem função alguma para o corpo humano.Porém, este fato foi motivo de questionamentos, pois alguns cientistas não acreditaram que o corpo físico traria algum elemento que não tivesse alguma utilidade. E foi assim que o biofísico russo Pjotr Garjajev e colegas promoveram pesquisas “de ponta”, com a finalidade de investigar os 90% do DNA não compreendido. Os resultados são fantásticos, atingindo aspectos antes considerados “esotéricos”.

O que as pesquisas estão revelando? O DNA tem capacidade telepática. É receptor e transmissor de informações além do tempo-espaço. Gera padrões que atuam no vácuo, produzindo os chamados “buracos de minhoca” magnetizados. São microscópicos, semelhantes aos “buracos de minhocas” percebidos no Universo. Sabe-se que “buracos de minhoca” são como pontes ou túneis de conexões entre áreas totalmente diferentes no universo, através das quais a informação é transmitida fora do espaço e do tempo. Isto significa que o DNA atrai informação e a passa para as células e para a consciência, função que os cientistas rotulam de “a internet do corpo físico”, mais avançada que a internet dos computadores.

A descoberta leva a crer que o DNA possui algo que se pode chamar de telepatia interespacial e interdimensional. Em outras palavras, o DNA está aberto a comunicações e mostra-se suscetível a elas. A recepção e transmissão de informações através do DNA explicam fenômenos como a clarividência, a intuição, atos espontâneos de cura e autocura e outros. Isso conduz à possibilidade da reprogramação do DNA através da mente e das palavras. O grupo descobriu também que o DNA possui uma linguagem própria, uma espécie de sintaxe gramatical, semelhante à gramática da linguagem humana. Seria assim certo concluir que o DNA é influenciável por palavras emitidas, pela mente e pela voz, confirmando a eficácia das técnicas de hipnose (ou auto hipnose) e de visualizações positivas.

Uma descoberta impressionante: adequando-nos às frequências da nossa linguagem verbal e das imagens geradas pelo pensamento, o DNA pode se reprogramar, aceitando uma nova ordem, uma nova regra, a partir da ideia transmitida. O DNA, no caso, recebe a informação das palavras e das imagens do pensamento e as transmite para todas as células e moléculas do corpo, que passam a ser comandadas segundo o novo padrão emitido. Os cientistas confessam-se capazes de reprogramar o DNA em organismos vivos, usando as frequências de ressonância corretas. Estão obtendo resultados positivos, especialmente na regeneração do DNA danificado. Utilizam para isso a Luz Laser codificada como a linguagem humana para transmitir informações saudáveis ao DNA. A técnica já é aplicada em alguns hospitais universitários europeus, com sucesso no tratamento de câncer de pele. O câncer é curado, sem cicatrizes remanescentes.

Nessa mesma linha de pesquisas, o cientista russo Vladimir Poponin colocou o DNA em um tubo e enviou feixes de Laser através dele. Quando o DNA foi removido do tubo, a Luz Laser continuou a espiralar, formando como que pequenos chacras e um novo campo magnético ao redor, maior e mais iluminado. Agiu como um cristal quando faz a refração da Luz. Conclusão: o DNA irradia a Luz que recebe. A constatação permitiu uma maior compreensão sobre os campos eletromagnéticos ao redor das pessoas (auras), assim como também o entendimento de que as irradiações emitidas por curadores e sensitivos acontecem segundo o mesmo padrão: receber e irradiar, aumentando e preenchendo com Luz o campo eletromagnético ao redor. As pesquisas estão ainda em fases iniciais e os cientistas acreditam que ainda chegarão a muitas outras coisas interessantes.

As conclusões estimulam o emprego das técnicas de afirmações positivas, aplicadas a pensamentos e imagens por ele geradas. As transmissões ao DNA e ao corpo alcançarão a saúde, o bem-estar e a harmonia. Segundo os pesquisadores as transmissões verbais e mentais podem ser melhoradas, por meio da comunicação positiva com o corpo e a reprogramação consequente do DNA.

As informações contidas neste texto são do livro “Vernetzte Intelligenz” von Grazyna Fosar und Franz Bludorf, ISBN 3930243237, resumidos e comentados por Baerbel.
(Fontes: http://animamundhy.com.br; http://marecinza.blogspot.com.br; http://bioterra.blogspot.pt; Mais um post by: Ufos Online)”

Nenhum comentário:

A SAGA LANDELL MOURA

ENCONTRO CULTURAL INTERACADÊMICO - 18 DE FEVEREIRO

C   O   N   V   I   T   E A Arcádia Minas Gerais, a Academia Feminina Mineira de Letras, a Academia Cordisburguense de Letras Guimarãe...