sexta-feira, 28 de julho de 2017

Não mais que 
sete dedos de prosa

Cesar Vanucci

“O 7 de abril dá nome a logradouros numa penca de cidades.
Assinala a data da abdicação de Pedro I.”
(Domingos Justino Pinto, educador)

Tempos atrás, instigado pela simbologia numerológica derivada do fato de serem sete as maravilhas do mundo antigo, um punhado de leitores encaminhou a este desajeitado caçador de quimeras informações sobre o significado cabalístico do número sete. Deu cada coisa! Um nunca acabar de revelações intrigantes.

Lembrou-se, por exemplo, que sete são as cores do arco-íris. Sete os tons da escala musical. Sete as séries de pesos atômicos na tabela periódica dos elementos químicos. Sete os dias da semana. Sete as vértebras do esqueleto humano. Não foi esquecido, também, que somam sete os chamados pecados capitais e sete as virtudes teologais. E que o mundo foi estruturado em simbólicos sete dias, sendo que o sétimo dia ficou reservado ao divino repouso.

As menções de conteúdo místico mostraram-se copiosas. Algumas delas: são sete os planetas da astrologia esotérica. Em registros bíblicos, o sete é objeto de profusa citação. Exemplos: os sete espíritos aos pés do Senhor; os sete anos que Jacó teve que servir a Labão quando pediu Raquel em casamento; as sete frases proferidas por Jesus na cruz – três anotadas por João, 3 por Lucas e 1 por Mateus; a festa dos pães asmos (sem fermento), que se seguia, em priscas eras, à festa da Páscoa, onde se costumava recomendar aos fiéis que comessem do produto durante sete dias; a festa do Pentecostes: “Vós, pois, desde o dia depois do sábado, no qual oferecestes o molho das primícias, contareis sete semanas completas ...” (Lev. 23:15). No Novo Testamento outras intrigantes revelações. A saber: no Apocalipse, o sete domina muitos textos: sete igrejas, sete espíritos, sete castiçais de ouro, sete estrelas, sete lâmpadas de fogo, sete trombetas, sete taças, sete olhos, sete anos, sete trovões, sete coroas, sete pragas, sete montes, sete reis. Segue por aí. No alfabeto hebraico, no alinhamento das interpretações cabalísticas, o sete corresponde à letra “zain”, que significa “O Imaculado”. O castiçal de sete braços ou candelabro (menorá em hebraico) é um dos mais respeitados símbolos do judaísmo. Apocalipse (5:6) ainda: “Tinha ele sete chifres e sete olhos, sete são os espíritos enviados por Deus por toda a Terra”. Mais registros bíblicos: “Então ele vai e toma consigo outros sete piores do que ele (...)” (Lc 11:26); “Não te fies nele, pois há sete abominações na alma dele” (Salomão-Prov. 26:25). Ou: “Castigar-vos-ei sete vezes pelos vossos pecados” (Levítico 26:24). Ou ainda: “Faze sete partes e também oito” (Eclesiastes 11:2). Noutro trecho do Evangelho, o faraó tem aquele sonho das sete vacas gordas e sete vacas magras. José decifra os sonhos premonitórios do faraó: eles falam de sete anos de bonança e de sete anos de carências.

Salientando que no jogo numerológico o sete indica clarividência e que para Pitágoras este é o número da perfeição, foi-me lembrado também que sete é o total dos Arcanjos, sete são os dons do Espírito Santo, sete são os chacras e sete as glândulas endócrinas. No registro histórico temos o sete de setembro, nossa data cívica magna. Já o sete de abril, que dá nome a uma penca de logradouros brasileiros, corresponde à data dos tempos do Império em que se deu a abdicação do trono por Pedro I em favor de Pedro II. Merece também anotação que o 7 de ouros e o 7 de paus, como sabido dos apreciadores de jogos de cartas, têm peso maior nas artimanhas do popular truco. O número, por outro lado está inapelavelmente associado, na crônica futebolística, àquele fatídico instante vivido no Mineirão em 2014.

O algarismo traz mais evocações. Da criança peralta diz-se que anda pintando o sete. Sete é conta de mentiroso. Na historinha que encantou gerações, Branca de Neve é acompanhada por sete anões. O instinto de sobrevivência do gato leva à ideia de que o animal possui sete vidas. Pessoas avarentas trancam pertences a sete chaves. Os que partem primeiro são sepultados debaixo de sete palmos de terra. Muitas as regiões de sete colinas. Caso de Roma. Uberaba, idem. E como é mesmo a denominação dada à celebração com a qual reverenciamos, na primeira semana da partida, os entes queridos que nos deixam? O escritor Júlio Sayão esclarece ser “o 7 um número sagrado em todas as filosofias e religiões, desde a mais remota antiguidade.”

Fechando o papo: você aí pode até franzir a testa em sinal de dúvida. Mas, em leal verdade, preciso dizer-lhe algo: o número de leitores que contribuíram para a feitura destas maldatilografadas foi precisamente 7.

Óvnis e vida extraterrena

Cesar Vanucci

“O fenômeno óvni, tão antigo quanto a própria humanidade, (...)
constitui um repto não só à ciência ortodoxa, mas também
 ao sistema lógico do raciocínio do homem.”
(Manuel Osuna, pesquisador)

A programação dos canais da rede “History” confere especial ênfase a narrativas de eventos ligados aos chamados objetos voadores não identificados (óvnis). O acervo das informações reunidas a propósito da intrigante temática é colossal. Câmeras e microfones das emissoras citadas ficam continuamente assestados em depoimentos e investigações acerca da aventura ufológica. O trabalho contribui poderosamente para que a questão se revista de crescente credibilidade. Seja vista, por cidadãos de mente aberta, como qualificado instrumento de estudo e pesquisa para a aquisição de conhecimentos sobre prodígios e mistérios da vida e do universo.

Os telespectadores se habituaram, assim, a defrontar-se com desfile incessante, nas atrações levadas ao ar, de renomados personagens nos domínios das investigações referentes ao enigmático fenômeno. Inexistem, aparentemente, por conseguinte, razões para que não demonstrem espanto diante de eventuais revelações de caráter fantástico. Mesmo sendo assim, os aficionados dessa temática depararam-se, dias atrás, com nova e inesperada sequência de declarações que não deixaram de trazer certa perplexidade, a levar-se em conta sua insuspeitada e inusitada origem.

Os canais concederam a palavra, para que falassem sobre óvnis e vida extraterrestre, a Nick Pope, Paul Hellyer e Laura Eisenhower. O que foi dito pelos três com suprema espontaneidade, firmeza de voz, clareza de ideias e fervorosa convicção, tendo em vista a função de cada um deles no panorama da cúpula política mundial, constitui resenha de informações e argumentos irretorquíveis acerca da veracidade do fato ufológico e da pluralidade de vida inteligente no plano cósmico. O grau de respeitabilidade das palavras transmitidas está declinado no papel pelos mesmos representados na cena comunitária. Nick Pope foi Ministro da Defesa da Grã-Bretanha. Paul Hellyer foi Ministro da Defesa do Canadá. Laura Eisenhower é neta do General Dwight Eisenhower, ocupante da presidência dos Estados Unidos, considerado herói de guerra pela circunstância de haver comandado as forças militares aliadas que combateram o nazi-fascismo.

Os dois ex-ministros deixaram expresso, em revelações tomadas em separado, com exuberância de desnorteantes detalhes, não persistirem dúvidas quanto à natureza extraterrena dos óvnis. Os objetos são absolutamente reais, segundo ambos. Detêm tecnologia incompreensível à luz do conhecimento cientifico terreno. Rondam permanentemente nosso planeta, monitorando de alguma maneira as ações humanas, recolhendo material para supostos estudos científicos, fazendo intervenções isoladas aqui e ali. Poderão vir a fazer, num dado momento, contato oficial em definitiva amplitude. Os governos de seus países, bem como de outras potências, estão cientes da situação, inexplicavelmente trancada a sete chaves. É certo que, nalgum momento, já ocorreu aproximação de representantes desses seres com chefes de governo. A neta do ex-presidente estadunidense, por sua vez, informou ser largamente sabido na intimidade de sua família que, à época de sua presença na Casa Branca, o avô manteve conversações com representantes de mundos exteriores, sendo pelos mesmos alertado sobre os riscos da escalada belicista nuclear.


Nenhum comentário:

A SAGA LANDELL MOURA

A inverossímil reunião ministerial Cesar Vanucci “Por mim colocava estes vagabundos todos na cadeia; começando no STF.” ( Abraha...