sexta-feira, 5 de janeiro de 2024

O fim do começo!

 


*Cesar Vanucci

“Ainda não é o fim. É apenas uma etapa das investigações em curso.” (Jornalista Ricardo Capelli, secretário executivo do Ministério da Justiça).

Todos os setores da sociedade veem com bons olhos – cuidando, por cautela, de conserva-los bem abertos – o redobrado empenho das forças de segurança do Estado brasileiro no combate ao crime organizado.  Esmiuçando, numa entrevista, os lances de mais uma bem sucedida operação levada a efeito em trabalho conjugado da Policia Federal com órgãos policiais do Rio de Janeiro, o jornalista Ricardo Capelli, eficiente secretario executivo do Ministério da Justiça, explicou: “Ainda não é o fim. É apenas uma etapa das investigações em curso.” A declaração lembrou-me dito famoso de Winston Churchill: “Não é o fim. Nem o começo do fim. Mas pode ser o fim do começo!” Tomando emprestada a sábia fala do ex-primeiro ministro britânico, esperamos, com viva expectativa, que esse “fim do começo” possa ser conduzido às derradeiras consequências. Estes são desejos ardentes dos cidadãos de mente e coração pacíficos que sonham com um país bom pra se viver e trabalhar.

As ações desencadeadas vão ter que transpor obstáculos tremendos para que sejam alcançados os objetivos em mira. Os “foras da lei” criaram “campos minados” á volta dos redutos em que se acham encastelados. Infiltraram-se, nalgumas unidades da Federação, em aparelhos públicos incumbidos de enfrenta-los. Os (dês) caminhos a percorrer reclamam   equipes bem treinadas, compenetradas da missão de desmantelar as cidadelas da bandidagem. Os agentes envolvidos nas saneadoras operações poderão, num que noutro instante, se verem lançados num labirinto. Deles serão exigidos, em horas assim, paciência, disposição e animo indomáveis, de modo a que as situações momentaneamente desfavoráveis sejam contornadas com firmeza e afinco. Como já vem sendo atestado nas diligencias em andamento, os serviços de Inteligência e o emprego de tecnologia de ponta constituem plataforma eficaz nas apurações dos atos lesivos praticados pelas milícias e quadrilhas que se apossaram, para seus negócios escusos, de faixas territoriais consideráveis em alguns centros populosos, como é o caso do Rio de Janeiro, São Paulo e Salvador. A atuação na área da segurança publica coordenada pelo ministério da justiça que tem sido apoiada em numerosas e relevantes intervenções pelas  Forças Militares Federais, volta-se também, com vigor, para  Amazônia. Detectou-se a presença no vasto território do “Comando Vermelho” e do “PCC” entre outras facções.

A quem acompanha com atenção as providenciais ações promovidas, no âmbito governamental, no enfrentamento das organizações criminosas vem causando muito boa impressão o esforço voltado para trabalho integrado de todos os dispositivos de segurança. Ou seja, não tem faltado da parte da opinião pública o reconhecimento à inspirada ideia da estruturação de um sistema nacional de segurança que aglutine o melhor da experiência profissional de campo e a da capacitação técnica dos órgãos que operam no país na luta contra a marginalidade audaciosa. Outra pontuação a ser feita diz respeito ao paulatino desarmamento da população. No governo passado mais de 2 milhões de armas foram postas em circulação, fora as contrabandeadas, graças ao incentivo oficial e frouxidão das leis. Muitos, insensatamente, confundiam “Pátria amada com Pátria armada”. No ano de 2023 o licenciamento para porte de armas, debaixo de crivo severo, caiu para pouco mais de 20 mil. A queda, nesse item, foi de quase 80 por cento em relação ao ano anterior. Seja assinalada, por derradeiro, como instrumento valioso neste combate, a conjunção articulada entre a Segurança e os órgãos fazendários visando jugular as fontes das receitas clandestinas mafiosas.

 

Jornalista (cantonius1@yahoo.com.br)

Nenhum comentário:

A SAGA LANDELL MOURA

12 jurados e uma sentença

  *Cesar Vanucci “A justiça provou que todos são iguais perante a lei” (presidente, Joe Biden)   Na era dourada de Hollywood afici...