sábado, 5 de dezembro de 2020

 

Vidas pretas importam

 

Cesar Vanucci

 “A questão racial precisa ser tratada em todos os domínios, da Justiça à Tecnologia”.

(Jorge Terra, negro, Procurador da Justiça, Mestre e Doutor)

 

Ninguém mais bem capacitado a descrever com exatidão a ignomínia do racismo do que um cidadão que na trajetória cotidiana sofra na própria pele as constantes ferroadas da horda de preconceituosos, de todos os naipes, que circulam desembaraçadamente por aí. Oportuno, por conseguinte, tomar conhecimento de relatos que se disponham a fazer, a propósito da flamejante questão, personagens que, a despeito dos empecilhos, armadilhas, desafios de toda ordem, conseguem galgar posições de realce profissional que lhes facultem a chance de denunciar o drama existencial dolorosamente imposto às vítimas da intolerância racial.

 O Procurador de Justiça Jorge Terra, gaúcho, é um desses personagens que conviveram, desde muito cedo, com o problema da estigmatização por causa da cor da pele. Ou seja, à luz do bom senso, do humanismo, da justiça social, por causa de coisa nenhuma. Como já dito e repetido, a raça humana é única. A cor da pele não passa de mero detalhe anatômico. Assim como a cor dos olhos, a cor dos cabelos, a menor ou maior estatura, e inumeráveis diferenciais que fazem de cada vivente deste planeta uma individualidade no meio das multidões.

Em depoimento à “Carta-Capital”, ele conta que, na infância, na escola pública que frequentou, fazia parte de um grupo de quatro negros na sala de aula. Os demais alunos se recusavam a brincar com os quatro no chamado recreio. Isso perdurou até o dia em que se viu forçado a brigar com o líder da turma que os hostilizava. Sustentando que o preconceito independe de classe social, ele anota que o enfrentamento do problema é permanente. Sentiu isso ao longo dos tempos e, hoje, com 54 anos de idade, graduado em Direito, com Mestrado e Doutorado, desenvolve ações contínuas no combate à xenofobia, ao machismo e outras modalidades de preconceito, além, obviamente, do racismo. Explica que “não haverá sociedade justa, democrática e solidária com parte da população sofrendo discriminação e injustiças”. Acentua, em entrevista ao jornalista René Ruschel, que o problema arrasta negros e pardos à pobreza. O racismo – diz ainda - se manifesta de forma cruel nas áreas da educação e do mercado de trabalho.

 Referindo-se à circunstância de o racismo, a segregação e o preconceito permanecerem tão arraigados nas engrenagens da convivência humana, registra que “o racismo no passado era segregacionista, mas, hoje, afigura-se mais na forma assimilacionista.” Aduz: “Ataca características comportamentais e culturais de determinados grupos que, igualmente, geram exclusão. O preconceito, os estereótipos raciais e o racismo continuam revigorados pelo fato de não serem sistemática e efetivamente combatidos no âmbito público e privado.”

 A respeito da observação de que as crianças em idade escolar recebem informações de maneira muito superficial acerca dos dramas do racismo e da escravidão, o Procurador salienta: “O problema começa, mas não se resume à rede básica. Falhamos no ensino jurídico e não parece haver plena compreensão ao tratarmos de Direito Constitucional, de Direito Administrativo, de Direito Penal e de Direito Internacional. Negamos às crianças, aos adolescentes e aos jovens uma educação plena, baseada na verdade, capaz de gerar as transformações sociais, políticas e econômicas indispensáveis. O racismo é reforçado também nos ambientes familiares. Em decorrência da nossa forma de socialização, no primeiro espaço público que vivenciamos, a escola, preferencialmente na educação infantil, de fato é imprescindível haver trabalho antirracista efetivo, planejado e sistematizado.”

 Jorge Terra é indagado, ainda, na entrevista, do motivo de manter-se firme e resoluto na luta antirracista, tendo em vista o caráter costumeiramente inglório desse tipo de ativismo. Responde da seguinte maneira: “Tenho foco constante na eficiência e na eficácia dos direitos humanos. Trabalho não apenas no combate ao racismo, mas também no enfrentamento de questões relacionadas ao machismo e à xenofobia, bem como atinentes aos preconceitos contra pessoas com deficiência ou integrantes da comunidade LGBT-TQIA+. Confesso ter dificuldade de ver a vida sem enfrentamento de numerosas questões que geram enormes barreiras para os cidadãos”. Arremata: “Não haverá sociedade justa, democrática e solidária com parte da população sofrendo discriminação e injustiças. Penso ser possível a superação desde que haja planejamento, com atenção à eficiência e à eficácia.”

 

Nenhum comentário:

A SAGA LANDELL MOURA

  Meu amigo Waldir Vieira   Cesar Vanucci   “As pessoas não morrem. Partem primeiro.” (Camões)   Perdi um amigo querido. Amigo...