quinta-feira, 1 de outubro de 2020

 

Escalada de preços indecorosa

 

Cesar Vanucci

 

Elevação no preço de medicamento em 2.000 por cento é caso de polícia, com mobilização de todos os efetivos e viaturas das delegacias e batalhões.”

(Antônio Luiz da Costa, professor)

 

· Escalada indecorosa de preços. Quem lida no dia a dia com compras de produtos essenciais revela-se alarmado com a pandemia altista detectada no varejo e no atacado. Medicamentos e gêneros alimentícios alcançaram ultimamente patamares everestianos nos pontos de venda. Ganância descomedida e não lei da oferta e procura – ao contrário do que alguns na maior cara de pau cuidam de trombetear – é a causa desse indecoroso procedimento. Uma situação que só faz crescer o mal-estar social nos lares. Pra se ter uma ideia das absurdidades praticadas, pinçamos aqui um exemplo desnorteante: analgésico sistematicamente utilizado na entubação de pacientes graves, em casos da Covid-19 e outras enfermidades, sofreu majoração recente em cerca de 2.066 por cento. (O verbo “sofrer” se ajusta mais adequadamente, no fato descrito, ao desamparado consumidor). A pergunta que brota das ruas, compreensivelmente tomadas de perplexidade e indignação, é se as autoridades competentes vão fazer ouvidos moucos ao clamor popular, ou aplicar o máximo rigor da lei contra esses assaltos à economia coletiva praticados sob luz solar.

 

· Código fantasma. O distinto e bem informado leitor já ouviu, por acaso, falar de “código fantasma”? Não? Nem eu, tampouco, até poucos momentos atrás. Mas acontece que o “código fantasma” existe e anda assombrando pacatos cidadãos. Sabe-se lá por que cargas d’água, ele, “código”, pode vir a ser, sub-reptícia e inesperadamente, introduzido em lista extensa de produtos adquiridos num estabelecimento qualquer. Noutras palavras: item de consumo não arrolado pelo comprador pode aparecer misteriosamente no cupom fiscal. Isso remete à necessidade de uma conferência metódica da nota fornecida pela caixa registradora, de modo a evitar prejuízos ocasionais por cobrança indevida. Clientes que se deram conta do problema, receberam, na boca do caixa, explicações de que o “código fantasma” pode irromper, esporadicamente, por efeito de algum desarranjo no sistema da digitação eletrônica. Noutras palavras: uma “falha de comando” da “inteligência artificial”, a cada dia mais presente na vida de todos nós. Face a uma ocorrência desse tipo, dona de casa esclarece em vídeo postado nas redes sociais haver recebido de volta, no prazo de cinco dias, a parcela paga a mais. Tudo isso exposto, sobra, então, para o consumidor um “dever de casa” de conferir religiosamente a lista de compras, de maneira a se defender do “código fantasma”. O tal código é um fator de risco a mais incluído na já avantajada carga de problemas que apoquenta o cotidiano da gente do povo.

 

· Flechada fatídica. A aventura humana é regida – de acordo com todas as crenças - por imperscrutáveis desígnios superiores. Inumeráveis as circunstâncias em que nos deparamos com dificuldade para encontrar palavras adequadas na descrição de ocorrências merecedoras de alarde. O relato da sequência mostra isso de forma exuberante. Um sertanista dedicado, que se tornou famoso pelo sentido missionário emprestado ao trabalho, perdeu a vida, num confronto inimaginável que “pinguepongueou” entre o chocante e o comovente. Participando de expedição com fitos humanitários nos recônditos da selva indevassável, foi atingido mortalmente por uma flecha. Quem disparou a flecha foi aborígene de uma tribo isolada, ainda não contatada pela Funai. Tribo que, em seu primitivismo cultural, vê-se acossada por gente e coisas inteiramente estranhas e ininteligíveis ao raciocínio de seus integrantes. O sertanista morto, Rieli Franciscato, deixou belos exemplos de solidariedade. No reconhecimento dos companheiros é lembrado como autêntico seguidor da política indigenista traçada pelo lendário Marechal Rondon.

 

· Sem comentário. “Ninguém pode obrigar ninguém a tomar vacinas.” Frase do presidente Jair Bolsonaro. O mesmo presidente Jair Bolsonaro apôs sua assinatura numa lei (13.979), publicada em fevereiro deste ano, onde vêm registradas (artigo terceiro) as palavras abaixo transcritas: “Para enfrentamento da emergência da Saúde Pública (...) as autoridades poderão adotar, no âmbito de suas competências, a determinação de realização compulsória de vacinação ou outra medida profilática.” 

 

2 comentários:

Orlando de Almeida disse...

Boa tarde caro mestre e amigo Cesar
alada
Leitor assiduo de seu Blog, acompanho a sua indignação estampada no comentario sobre a indecorosa e injustificada escalada dos precos dos medicamentos essenciais e dos alimentos. O pior prezado amigo é que não se vê uma atitude dos orgãos responsáveis do Governo para coibir estes abusos e punir quem os pratica E em plena pandemia.

E o que falar do tal código fantasma que está aparecendo nas contas dos supermercados, para justificar diferencas a mais nos preços dos produtos e exigindo atencao redobrada dos consumidores. Como diz o nome de um filme famoso, E assim caminha a humanidade.

Grande abraco

Mario Barros disse...

Caro César!
Muito claros e pertinentes seus comentários sobre fatos que afligem a sociedade brasileira neste caótico momento, potencializado por problemas sanitários ainda por solucionar.
Infelizmente não temos governo e nossa indignação se transforma em revolta silenciosa que somente nos acarreta lastimáveis enfermidades.
Aumento de preços de produtos básicos, códigos fantasmas nos recibos dos supermercados e outras mazelas sem controle das autoridades nos impõem uma mudança de atitude que somente será efetiva caso tenhamos a educação e conscientização da nossa população. Nada disso interessa aos nossos governantes, infelizmente...
Falar que temos um presidente doente, despreparado e arbitrário é apenas um desabafo de quem acompanha e sofre a tristeza que é o descalabro dessa desastrosa administração.
Grande abraço e continue levantando essa bandeira de alerta, muito bem fundada no conhecimento, na moral e na ética que somente pessoas como vc podem fazer.
Saudações,
Mário Barros - Guimarães Rosa 1006

A SAGA LANDELL MOURA

  As duas frentes de luta na Amazônia   Cesar Vanucci   “A Amazônia corre risco permanente por causa da devastação e por causa da ...