quarta-feira, 3 de abril de 2024

Insegurança pública


*Cesar Vanucci

 



“A segurança pública virou caso de segurança pública”

(Josemar Bosi, escritor)

 


1) As pessoas de boa memória hão de se lembrar do fogo de metralhadora disparado contra a memória de Marielle Franco quando de seu brutal assassinato. A rede de intrigas que alimenta as inomináveis fake news despejou toda a sorte de infâmias imagináveis e inimagináveis sobre sua atuação como ser humano e parlamentar. Um Deputado da “trincheira do ódio” chegou ao cúmulo de arrancar, em ato público, placa afixada em sua homenagem. Em Whatsapps iracundos foram espalhados “cobras e lagartos” a respeito da brava combatente dos direitos sociais. Tudo está visto agora, com propósito de confundir e comprometer as investigações.

 

2) O Rio de Janeiro das temidas milícias continua sendo palco de ocorrências policiais extravagantes. Mais do que isso: surreais. Vejam só mais essa aqui. Recentemente, agentes da Segurança Pública fecharam uma fábrica clandestina de cigarros. Trancafiaram os responsáveis, apreendendo todo o maquinário utilizado na fabricação do produto. O equipamento, pesando 5 toneladas foi levado para o deposito da “Cidade da Polícia”, um complexo de edificações amplas, onde se acham lotados 3 mil funcionários que operam ações desenvolvidas por dezenas de delegacias. A máquina de fazer cigarros foi levada a hasta pública. O arrematante cuidou de busca-la. Espanto geral! Quando abriram a porta do deposito, a peça não estava mais lá. A “rigorosa sindicância” feita a respeito do inusitado incidente “apurou” que ninguém da “Cidade” sabia dizer por que cargas d’água o aparato mecânico de 5 toneladas havia sumido. O B.O referente ao caso assinala que a volumosa carga, não passou por nenhuma das numerosas guaritas armadas que circundam o complexo policial, nem tampouco seu deslocamento foi monitorado pela rede de câmeras existente.  Até outro dia não havia surgido ainda quem “soubesse dizer” o que ocorreu. Tão denso “mistério” levou gaiato a apontar David Copperfield como autor da façanha. Como é sabido por todo telespectador, o mágico de Las Vegas costuma fazer desaparecer gigantescos objetos, debaixo de aplausos de plateias extasiadas. Êta Rio de Janeiro!...

 3) Outro lance escalafobético. Numa bem sucedida operação policial, integrantes da maior milícia do Rio de Janeiro foram capturados portando armas de grosso calibre, de uso privativo das forças de segurança. Na troca de tiros um dos lideres da facção foi atingido e encaminhado a hospital. Algemado, ficou sobguarda de dois agentes, um sargento e um cabo da Policia Militar carioca. Um vídeo que circulou intensamente na internet, postado pelos próprios agentes, mostrou, dias depois, festiva comemoração de aniversário do miliciano preso, com bolo, velinhas, balões coloridos, refrigerantes e “parabéns para você” cantado por todos num clima de muita animação. Os dois militares foram dispensados da vigilância e respondem a Procedimento Administrativo Disciplinar. Tá danado!...

 4) A Policia Militar de São Paulo desencadeou , em curto espaço de tempo, duas mortíferas operações contra o crime organizado na baixada santista, depois do assassinato por bandidos de dois policiais. Quase 100 pessoas já foram mortas no confronto com os agentes. A Secretaria de Segurança SP sustenta que as forças policiais têm agido na repressão em rigorosa sintonia com a lei. Mas, esse não é o entendimento da Defensoria Pública e familiares de algumas das vítimas. As versões discordantes deram causa a relatório levado à OEA. Indagado sobre o que pensa da representação encaminhada àquela instituição internacional, o Governador do Estado, Tarcísio Freitas, declarou “não estar nem aí pra isso”. Tá bem!...

 5) O Ministro da Justiça Ricardo Lewandowski andou colocando “o carro adiante dos bois” ao dizer ainda outro dia que a operação de captura dos fugitivos em Mossoró foi amplamente exitosa.            Ora, veja, pois!...

                              Jornalista(cantonius1@yahoo.com.br)

Nenhum comentário:

A SAGA LANDELL MOURA

O instinto belicoso do bicho-homem

                                                                                                     *Cesar Vanucci Faço um premente a...