quinta-feira, 8 de dezembro de 2022

Ojeriza à democracia

 

                                                                                             *Cesar Vanucci

“A democracia rechaça o radicalismo” (Antonio Luiz da Costa)           

 

A antiga sabedoria proclama que há um limite para tudo. Os atos cotidianos da convivência comunitária são regidos, obviamente, por essa lógica.

 Essa fuzarca promovida por bando de fanáticos de catadura irremediavelmente antidemocrática já foi longe demais. Extrapolou os limites da tolerância. A opinião publica mostra-se, mais que constrangida, indignada com essa sequência de desatinos praticada por militantes políticos desorientados com ojeriza à democracia.

A lista de sandices é extensa, memorizemos algumas delas. Os incidentes são de molde a causar desassossego e prejuízos de toda ordem à sociedade. Ex-parlamentar raivoso, entrincheirado em sua mansão recebe a bala, arremessando granadas, de seu arsenal doméstico, em agentes da Policia Federal encarregados de escolta-lo até a cadeia por delitos contra a democracia. Na festa da Padroeira, em Aparecida do Norte, na Basílica, desordeiros promovem comício, perturbando multidão de fieis e apupando, histericamente, o Arcebispo durante a homilia em ato sagrado. O Prelado discorria sobre o magno problema da fome que ronda muitos lares e explicava que “Pátria amada não é Pátria armada”. Parlamentar desvairada acompanhada de guarda-costas, ambos de armas em punho perseguem um suposto adversário político em via pública movimentadíssima na principal cidade do país por mera discordância de opinião. Um tsunami de “fake news” congestiona as redes com o escancarado propósito de tumultuar as eleições. O conteúdo das mensagens é, em muitos casos, tão escalafobético que passa a impressão de que seus autores são foragidos da ala de pacientes irrecuperáveis de hospício medieval. Assim que divulgados os resultados das eleições - festa cívica memorável, organizada impecavelmente pelo TSE e que contou com a participação ordeira e entusiástica de milhões de eleitores -, minoria de agitadores, insuflada por extremistas de “colarinho branco”, empregando, pode se dizer táticas terroristas, resolve promover inaceitáveis bloqueios de rodovias, gerando cenas que vão do grotesco, passando pelo patético até crueldades inimagináveis. Nos obsis criados a circulação de pessoas e veículos, ambulâncias não conseguem chegar ao seu destino, atendimentos de emergências a enfermos em estado critico sofrem atraso irreparável, viagens são interrompidas, cargas perecíveis se deterioraram no meio do caminho, assim por diante. Faixas e vozes coléricas pregam, acintosamente, a derrubada do arcabouço democrático, exortam à  quebra da disciplina institucional, agridem os direitos fundamentais, incentivam a violência. As encenações lembraram manifestações dos “camisas pardas” do nazismo. Nesses bolsões de desordem, financiados, ao que se sabe, por alguns radicais endinheirados, que pagam a “inocentes uteis” as horas roubadas ao seu labor de subsistência, vicejam também, por mais incrível que seja, manifestações despropositadas acerca de fraudes na apuração de votos. Partido político derrotado no pleito presidencial, afrontando a respeitabilidade da Justiça eleitoral e pareceres emitidos por órgãos de fiscalização e auditoria de idoneidade acima de qualquer suspeita ousou de má fé comprovada, valendo-se de argumentos jurídicos fajutos, insinuar burla nas apurações.  A desonrosa tentativa de “bagunçar o coreto” eleitoral foi repelida com altivez pelo TSE, que aplicou pena exemplar aos autores da pérfida manobra. Manobra que, por sinal, causou profundo mal estar junto até mesmo aos candidatos eleitos pela própria legenda, por obvias razões.

Há limite para tudo. A maioria que trabalha em favor da construção da construção humana almeja paz e tranquilidade. Recusa-se a dormir com barulheira desprovida de sentido.

 

Jornalista (cantonius1@yahoo.com.br)

 

Nenhum comentário:

A SAGA LANDELL MOURA

Testemunho implacável (I)

*Cesar Vanucci *   “As Testemunhas de Jeová deixaram com a posição assumida, no campo de concentração nazista, um testemunho de hero...