sexta-feira, 8 de outubro de 2021

 

SOS Mata Atlântica

 

 Cesar Vanucci

“A floresta em torno das nascentes é essencial para garantir a quantidade de água.”

(Márcio Reis Rosa, coordenador do Projeto “MapBiomas”)

Nem todo mundo, mesmo entre gestores de órgãos institucionalmente inseridos nos esquemas de preservação do meio ambiente, têm consciência plena da importância vital da Mata Atlântica no processo que assegura conforto e bem-estar aos brasileiros.

Estudo recentemente divulgado revela os efeitos produzidos por esse bioma, o mais ameaçado do Brasil, nas atividades relacionadas com o abastecimento de água, o fornecimento de energia elétrica, produção de alimentos e o saneamento básico em áreas povoadas. Imagens obtidas por satélite, num mapeamento inédito da Mata Atlântica, trazem informações circunstanciadas a respeito do que, ao longo de três décadas, vem acontecendo nos territórios abrangidos pela Mata Atlântica. Da cobertura vegetal original resta hoje apenas um quarto. A área corresponde ao que foi ocupado por pastagens. Outras atividades econômicas respondem por quase 40% do espaço.  O levantamento constatou ainda o seguinte: as florestas que asseguram proteção às nascentes e às margens dos rios existentes na Mata Atlântica permanecem praticamente inalteradas, representando, na hora presente, 25% da cobertura vegetal do bioma. Tal registro nunca deixou de suscitar preocupação. A situação de risco vai se fazendo, com o rolar dos anos, ainda mais grave, a se levar em conta o crescimento populacional e a demanda, via de consequência, cada vez maior de água e energia.

A séria ameaça enfrentada pode ser resumida na explicação dada ao “Jornal Nacional” pelo coordenador do Projeto “MapBiomas”, Márcio Reis Rosa: “A floresta em torno das nascentes é essencial para garantir a quantidade de água, mas ela tem também um efeito de filtrar o sedimento que chega no rio. Então, sem essa floresta a gente está falando de rios mais poluídos, com mais sedimentos e isso vai para dentro dos reservatórios, vai diminuir vida útil dos reservatórios que abastecem as cidades e que geram energias”.

É função primordial da Mata Atlântica manter o ciclo hidrológico e ajudar os rios a minimizarem o impacto das mudanças climáticas, como lembra Malu Ribeiro, dirigente do “SOS Mata Atlântica”.

Diante das evidências de que a cobertura de vegetação nativa vem sofrendo redução nas bacias dos rios Grande e Paraná, em função de desmatamento, seca e falta de chuva, é fácil imaginar as proporções das ameaças que rondam o bem-estar de parcela considerável da população brasileira.

Nenhum comentário:

A SAGA LANDELL MOURA

  Atentar para os sinais Cesar Vanucci   “A humanidade está ameaçada”. (Alerta da OMS e de cientistas) Valho-me, nesta introdução, de sugest...