sexta-feira, 13 de janeiro de 2017


Coisas desse 
admirável mundo novo

Cesar Vanucci

“O grande perigo da tecnologia é implantar no
homem a convicção enganosa de que é onipotente.”
(Hermógenes, no livro “Mergulho na Paz”)

Nesta fase outonal das andanças pela pátria terrena, ponho-me às vezes a matutar, com os botões do pijama, que pertenço a uma geração de certa maneira “preparada”, sutil e subliminarmente, nos ditos tempos da “escola risonha e franca”, para o advento das assombrosas conquistas tecnológicas de agora. Dentro desse enfoque instigante, não há como deixar de admitir que as historietas de quadrinhos exerceram papel de singular importância na abertura de consciência da meninada. Tanto, ou talvez mais até do que os próprios livros de Júlio Verne e de outros fomentadores de ideias de igual quilate. Tal constatação impele-nos a reconhecer a necessidade de se promover um resgate cultural dos gibis.

Como sabido, as historinhas narradas em tiras, que tanto excitavam a imaginação dos leitores mirins, figuravam num index montado por implacáveis guardiães dos bons costumes. Eram amaldiçoadas por compenetrados educadores e amorosos pais. Combatidas com extravagante ardor nos púlpitos. Apreendidas nas bancas, às vezes com truculência, a mando dos Juizados de Menores. Mas, apesar de tudo, apesar da repressão talebanista dos adultos, contavam com a fidelidade de um público tomado de encantamento, que sabia absorver, sem se escandalizar, as fantásticas revelações transmitidas, muitas delas, como o futuro comprovaria, de tom inexplicavelmente profético.

O “relógio de pulso falante” do ardiloso detetive Dick Tracy constituiu – como não? – premonição extraordinária da incorporação do celular aos hábitos comportamentais modernos. E o que não dizer das proezas de Flash Gordon e Buck Rogers? Suas formidáveis espaçonaves eram equipadas com telões visuais para comunicação a longa distância. Transportavam armamento na base do laser e da energia nuclear (lembram-se das “pistolas atômicas” penduradas nos cinturões dos heróis?). Tudo isso vinha estampado nos desenhos e nas lacônicas frases dessas publicações proscritas, várias décadas antes da implantação, no mundo real, dos colossais arsenais bélicos compostos desses apetrechos que as grandes potências utilizam como cacife no pôquer político. Os astronautas dos quadrinhos singraram os caminhos das estrelas muito antes do russo Yuri Gagarin e do americano John Glenn.

A memória velha de guerra conserva cenas de forte conteúdo ilustrativo do combate sem tréguas desencadeado naqueles tempos às “perniciosas revistinhas”. As publicações apreendidas nas sacolas de livros dos alunos eram juntadas nos pátios das escolas e, diante da comunidade, transformadas em piras. Os semblantes dos responsáveis pelo “alerta pedagógico”, instituído com o “louvável propósito” de impedir influências malsãs na formação dos jovens, traduzia uma certa sensação de “dever cumprido”. Tal estado de espírito contrastava com o sentimento de inconformismo e impotência da garotada por suposto beneficiada pela saneadora providência “educativa”.

A marcha impetuosa da história definiu, entretanto, que o clarão derivado das “labaredas didáticas” traduzisse não a eliminação de tendências (de resto questionáveis) de leituras perniciosas, mas a iluminação de clareiras abundantes de insuspeitada localização na floresta do conhecimento humano.

Multidões que se eletrizaram, na infância, com as aventuras mirabolantes dos “mocinhos” dos quadrinhos, percebem que um bocado das coisas fabulosas então curtidas – de inconcebível materialização, a se levar em conta os padrões tecnológicos predominantes naquela época – faz parte de seu cotidiano nos tempos de hoje. Já os mais moços, mesmo que se espantem com a visão, por exemplo, de uma máquina de escrever manual, da década de 60 (isso pôde ser detectado recentemente na visita de alguns adolescentes ao meu escritório), demonstram incrível familiaridade com toda essa parafernália bolada pela tecnologia destes efervescentes tempos. Uma tecnologia despojada num que outro momento de percepção humanística. E que enveredou decididamente por inimaginável ousadia vanguardeira.

Disponho-me a falar disso mais vezes.


Esses acidentes pavorosos...

Cesar Vanucci

"Se não construírem escolas, faltará
 dinheiro para construir presídios."
(Darcy Ribeiro, em 1982) 

Tempos estranhos. “Acidentes pavorosos” no Amazonas e em Roraima, na douta avaliação do catedrático em letras jurídicas escalado pelas forças políticas pra velar por nosso destino. Manifestação vociferante de personagem do alto escalão, sustentando a tese de que o problema dos presídios pode ser “solucionado” com “uma chacina por semana”. Anúncio oficial acerca da implantação de um Plano Nacional de Segurança, sem o esclarecimento adicional de que três outros (planos), batizados com a mesma pomposa denominação, cercados do mesmo estrépito midiático, foram lançados nas gestões FHC, Lula e Dilma. Massacres extras, com menos vítimas e nem por isso menos trágicos, noutras cadeias. Revelação desconcertante de que, por negligência operacional, 2 bilhões e 400 milhões liberados pelo Fundo Penitenciário deixaram de ser investidos no combate às condições degradantes das penitenciárias, e outros 100 milhões, igualmente disponibilizados pelo Erário, permaneceram retidos no cipoal burocrático, ao invés de serem empregados na repressão às drogas. Comprovação de “equívoco ministerial” no caso da negativa peremptória de que o Planalto houvesse recebido pedido de ajuda de Roraima antes do morticínio. Suspensão em alguns Estados, por conta de “recessos judiciais”, das providenciais “audiências de custódia”.

Eis um conjunto de fatos que clamam reflexões. Não é difícil juntar mais exemplos reveladores de um contexto perverso, que escancara o descomunal escândalo das políticas executadas na área da segurança. O sistema presidiário reflete a inconsistência das políticas sociais. As calamidades detectadas derivam de atuações deficientes, acumuladas anos a fio, na gestão dos negócios nacionais.

Forçoso reconhecer que, de momento, é impossível atacar nas raízes com pronta eficiência as graves questões que concorrem para que essas tragédias aconteçam. Mas não se afigura, todavia, impraticável que ações elementares, emergenciais, com efeitos preventivos aceitáveis, sejam adotadas. Com criatividade, muito trabalho e poderosa conjugação de vontades, os setores com responsabilidades definidas no processo poderão, para tanto, atrair na empreitada outras forças da comunidade aptas a contribuírem com ajuda relevante.

Nenhum comentário:

A SAGA LANDELL MOURA

  Nos tempos do rádio Cesar Vanucci   "Surpreendi-me noveleiro depois de aposentado. Não perdia um só capítulo de “O direito ...