sexta-feira, 10 de julho de 2015


Difícil de explicar 
e de entender

Cesar Vanucci

“A confusão era geral!”
(Machado de Assis, numa frase, extraída do livro “Dom Casmurro” que se ajusta como luva de pelica para descrever a encrenca no Oriente)

Barafunda colossal! Por isso vamos ver se este desajeitado escriba dá conta de explicar e se o condescendente leitor dá conta de entender.

A baita encrenca bélica no Oriente com destaque para as frentes de batalha na Síria e no Iraque, como já dito noutra ocasião, reveste-se de características orwellianas. Em outras palavras, produz a sensação de haver sido extraída das descrições sobre desavenças geopolíticas registradas nas páginas do  “1984”, livro que celebrizou as façanhas do “Grande Irmão”. Fica danado de difícil para os observadores distinguir, no conflituoso emaranhado geopolítico, quem está mesmo a favor de quem, ou quem está mesmo contra quem.

A Arábia Saudita, sunita, e o Irã, xiita, como público e notório, não rezam definitivamente pela mesma cartilha. Vivem se estranhando. Nada obstante, com esforços isolados, cada qual ao seu estilo, empenham-se em combater o sinistro Estado Islâmico, de tendência jihadista. Seja lembrado, neste preciso instante, que o jihadismo é um movimento fundamentalista religioso, sustentado na base de feroz fanatismo, com poderosas raízes fincadas exatamente na medieval sociedade saudita. Os sauditas, sem embargo disso, desempenham papel importante na coalizão liderada pelos Estados Unidos que chamou a si a responsabilidade pelos bombardeios sistemáticos das posições dos extremistas do tal Califado, numa tentativa de impedir sua expansão pelas terras síria e iraquiana.

Cabe aqui mais um registro desconcertante: das fileiras dessa tresloucada falange terrorista fazem parte, segundo recente estimativa, 30 mil rapazes e moças de nacionalidade europeia, juntamente com alguns americanos. O Irã, a seu turno, combate o Califado utilizando aguerridas milícias. Estas milícias iranianas dão apoio ao governo da Síria, ferozmente combatido pelo Estado Islâmico. Acontece que os governos ocidentais, bem como a Arábia Saudita, asseguram avantajada ajuda militar às forças concentradas na derrubada da ditadura de Damasco. As forças em questão, seja enfatizado, são constituídas predominantemente de elementos do próprio EI (Estado Islâmico), ou seja, o Califado, inimigo declarado de todos. Acrescente-se a informação de que o exército iraquiano tem também presença realçante nessa briga contra o Califado. Mas sua atuação não é conjugada nem com os xiitas iranianos, nem com os milicianos curdos, outro agrupamento engajado na amalucada contenda. Os curdos, adversários do EI, compõem uma comunidade que não esconde o propósito de se firmar como estado soberano, apoderando-se justamente de uma fatia territorial de seu “eventual aliado”, o Iraque. Pra aumentar a complicação, o Hezbollah, cujas operações principais estão baseadas no Líbano, igualmente xiita e aliado dos governantes sírios, é outro grupamento guerrilheiro que se antepõe ao Estado Islâmico. Tanto os Estados Unidos quanto Israel têm-no como grupo terrorista radical.

Toda essa confusão das arábias é marcada por batalhas sangrentas, atrocidades inauditas, destruição de valiosos patrimônios, muito horror, morte de milhares de inocentes, levas intermináveis de refugiados sem rumo. Gera, obviamente, com constância, constrangimentos militares e diplomáticos inimagináveis. Além de deixar imersos – visto está – no mais completo aturdimento os observadores que se esforçam por manter atualizadas as informações sobre as desconcertantes marchas e contramarchas dos acontecimentos naquelas convulsionadas bandas do mundo.

Estas considerações já haviam sido digitadas quando os veículos de comunicação trouxeram ao mundo mais uma espantosa revelação: os fanáticos guerrilheiros do Califado exibiram em vídeo imagens, como sempre horrendas, da decapitação de adversários. Só que as vítimas de agora são elementos pertencentes às fileiras da Al Qaeda...


Mais essas aqui...

Cesar Vanucci

“Macumbeira, macumbeira, vá queimar no inferno!”
(Termos usados pelos fanáticos religiosos que apedrejaram uma adolescente quando saia de um culto de candomblé)

Os iracundos patrulheiros talebanistas não esmorecem no propósito de disseminar o germe da intolerância nas atividades cotidianas. Atiram pedras em pessoas que participam de um culto afro-brasileiro. Postam-se nas imediações do órgão incumbido da perícia relativa às lesões sofridas pelas vítimas, voltando a agredi-las, em coro, com doestos e gestos raiventos. Picham paredes e divulgam mensagens contendo ameaças homofóbicas na Universidade. Articulam boicote a produtos de uma empresa pela circunstância de não “aprovarem” os termos de um reclame publicitário. Escancaram nas redes sociais seus incuráveis preconceitos e frustrações, suas indeclináveis tendências totalitárias para alvejar autoridades, líderes políticos e instituições republicanas, pregando abertamente a substituição do regime democrático pela tirania. Pintam e bordam por aí com suas posturas obscurantistas, nutrindo intimamente, com certeza, ressentimentos atrozes face ao fato de não encontrarem por aqui, nestes nossos pagos brasílicos, a mesma calorosa receptividade que partidários de suas ideias e comportamento retrógados encontram em lugares como a Arábia Saudita, Irã, Paquistão, Afeganistão, entre outros, sem falar nos maltratados redutos dominados pelos desvairados “guerreiros da moral e dos costumes” do “Califado do terror”.

Delação premiada.
O controvertido instrumento da “delação premiada” é recebido, nalguns redutos, como prova definitiva e cabal de culpabilidade das pessoas eventualmente acusadas de atos ilícitos.
O novo Ministro do Supremo Tribunal Federal, Edson Fachin, manifestou-se de forma bastante lúcida a respeito dessa equivocada interpretação. Esclareceu que ninguém, no regime democrático, pode ser julgado e condenado com base, única e exclusivamente, em denúncias feitas por elementos que assinaram com a Justiça acordo de “delação premiada”. Acrescentou que a delação assim apresentada não passa mesmo de mero “indício de prova”. “Precisa, por tal motivo – lembrou – ser secundada por outra prova idônea, pertinente e contundente, que são as características que a gente tipifica como uma prova capaz de permitir o julgamento e o apenamento de quem tenha cometido alguma infração criminal.”

Tom pessimista.
A divulgação a respeito pecou pela excessiva discreção. Poucos se inteiraram do que foi enfatizado como resposta num quesito de recente pesquisa do Ibope, atinente a temas políticos e administrativos. Focalizando o papel da mídia brasileira, o item proposto na consulta teve os seguintes dizeres: “A imprensa brasileira mostra o País numa situação mais negativa do que a que (como cidadão) percebo no meu dia a dia?”
Quarenta e um por cento dos entrevistados manifestaram o ponto de vista de que isso realmente acontece. Tal impressão encontra alicerce, bem provavelmente, em noticiário e artigos revestidos de tom geralmente pessimista ao tratar das coisas brasileiras. Valha como ilustração o intrigante titulo empregado, semanas atrás, por festejado analista econômico ao colocar seu público leitor a par dos investimentos, da ordem de 53 bilhões de dólares, que os chineses pretendem aplicar no Brasil: “O país de pires na mão!”. Ora, epa!



Novas frustrações
à vista

 Cesar Vanucci

“Do jeito que as coisas andam, o futebol brasileiro
vai acabar deixando de ser a alegria do povo.”
(Antônio Luiz da Costa, professor)

Não vai dar outra. Se a CBF persistir, pirracentamente, na disposição de não revolver, de imediato, cabo a rabo, adotando medidas impactantes, a estrutura organizacional da seleção, o futebol brasileiro, como dois e dois são quatro, amargará antes do final do ano outra acachapante frustração.

Permanecerá de fora, pela primeira vez, de uma Copa Mundial.  Com esse desempenho mixuruca apresentado na Copa América, os “legionários estrangeiros” – segundo suspeitas levantadas pela crônica especializada, escalados por empresários engajados nos rendosos esquemas de negociações de passes – serão inevitavelmente protagonistas de novo e retumbante fiasco. A desclassificação será “favas contadas”. E não é difícil prognosticar que, em sequência próxima, a tão almejada conquista do ouro olímpico ficará também pras calendas.

Malíssimamente treinado, influenciado pra valer pela postura chiliquenta de seu astro mais badalado, o escrete de Dunga é, sem sombra de dúvida, o menos criativo, menos produtivo grupo já reunido com a incumbência de representar as gloriosas cores brasileiras em competições. Os preparativos, daqui pra frente, a não ser que queiramos acumular mais vexames, terão que ser processados a partir do ponto zero. As circunstâncias reclamam outra comissão técnica. Plantel de atletas totalmente reformulado. Além, tá claro, outro estilo de conduta no gramado.

A escolha de um treinador com maior capacitação afigura-se imprescindível. No processo de transmutação a que se terá de recorrer, na tentativa de recuperação do tempo perdido, por que não se cogitar, na escolha do técnico, de alguém como, por exemplo, Marcelo de Oliveira, de cujo concurso, em instante nada inspirado, a diretoria do Cruzeiro resolveu abrir mão?

A ele, ou a outro técnico do mesmo naipe, que seja possuidor de ideias mais arejadas, com um melhor conhecimento de causa, ficaria confiada a missão de reorganizar a seleção. A convocação, no novo modelo operacional, contemplaria apenas e exclusivamente ou, então, majoritariamente, valores que estejam em ação nos torneios brasileiros. O vitorioso passado de nosso futebol chancela essa fórmula. De anos a esta parte, coincidindo justamente com o incômodo somatório de resultados adversos, essa fórmula foi deixada, incompreensivelmente, de lado. O nível técnico do nosso futebol parece já não ser o mesmo de outros tempos. Mas, cá pra nós, é hora de admitir sem hesitações que os jogadores chamados não são em nada superiores aos que atuam por aqui. Com a dispensa de convocações externas estaremos, provavelmente, em melhores condições de compor um time mais articulado, mais bem treinado, identificado neste momento com o sentimento popular.

As considerações acima já haviam sido lançadas no papel quando foi anunciada a decisão da CBF de não mexer no time que está perdendo... “Tamo n’água!”, como era de costume dizer-se em tempos de antanho.



 



  


Carlos Perktold *

Carlos Bracher – 
Energias Sagradas


 Quem já viu Carlos Bracher pintar, sabe que é um ritual de energias sagradas. Primeiro é necessário ouvir um concerto barroco. “Canon” de Pachelbel é o mais-que-perfeito. Bach ou Handel, com pequenas concessões para Jean Michael Jarre, também são freqüentes. Para presenciar o ritual e participar dele como espectador, a música precisa ser ouvida alta, comme il faut. O ambiente é um atelier caseiro de Ouro Preto, o que, por si só, já é um alento para nossa alma globalizada. Do somatório desses elementos faz-se uma equação de barroco+barroco = uma pintura soberba. Como num concerto anunciado, basta aguardar.
A “orchestra” já está no cavalete. O maestro esfrega as mãos e olha a tela branca à sua frente. É a sua vítima agradecida. Fusain preso nos dedos, marca nela os traços básicos da composição, materializada como um fantasma desperto. Em seguida, é a vez do pincel ou da brocha nas mãos. Cobre, então, rapidamente as imagens do carvão com as cores pré-escolhidas. Aquelas desaparecem, ficando retidas apenas na sua visão interna. Na memória visual do pintor o quadro já está pronto.
A cada minuto de pintura, ele nos mostra formas e conteúdos que se modificam a todo momento. Pura mágica. Na tela, traços seguros marcam o centro da composição. A partir daí, são movimentos fixando cada compasso dessa sinfonia pictórica.
Bracher fez tudo isso quando pintou o retrato do jornalista Geraldo Magalhães. Em menos de dois minutos, literalmente, lá estava o modelo num desenho a carvão na tela e que até hoje nos penitenciamos de não lhe ter recomendado parar, assinalar o tempo, assiná-lo, fixá-lo e começar outro. Hoje existe um belo retrato a óleo, mas o desenho magistral de dois minutos perdeu-se para sempre.
Bracher é assim. Desenha e pinta rápido, com a simplicidade de traços que trazem resultados reservados para aqueles que têm o talento. Pintando é impiedoso com a tela, com as cores, com os pincéis e até mesmo com as molduras, depois que sua obra está assinada. Mantém com esses materiais uma relação de senhor dominador e eles respondem agradecidos, porque sabem que o resultado é a recompensa da beleza perene. É pintura de grande massa, ocupando a tela com atividade e movimento, tão característicos do barroco.
Os trabalhos iniciais de Carlos Bracher indicavam uma contínua elaboração pictórica, perceptível apenas para quem acompanha o trabalho do artista durante uma vida ou numa retrospectiva. Ele nunca fez opção por meias soluções ou efeitos fáceis para agradar público ou mercado, optando pelo que acreditava e ao que era sincero.
Mineiro de nascença, de escolha, de fé e de alma, vive nas montanhas de Ouro Preto há mais de trinta anos e as usa, não para se cercar e proteger, comportamento tão próprio de nossa gente. De lá é possível avistar sua mineiridade universal que está no conteúdo do barroco mineiro, nas paisagens de Ouro Preto, Congonhas, Prado, Tiradentes e até dentro da usina de aço. Aço nos remete à força de uma chapa espessa desse material, mas nos associa à leveza do flandre que seus quadros transmitem trazendo ainda consigo as exigências da magia que toda obra de arte requer: cor, equilíbrio, composição, tensão e um mistério que nos intriga, instiga e nos inquieta de forma agradável.
Mas se é preciso despertar o desenhista ou o retratista de alma, esse tema tão difícil e reservado apenas para os presenteados com o talento absoluto e, infelizmente, ainda tão maltratado pelas entranhas do mercado de arte, aí está ele, atuando como um Rei Midas moderno, onde tudo que toca vira arte. Fidelíssimo a si mesmo, sempre se manteve longe de qualquer modismo, essa eterna máscara da morte em arte, conservando nas suas composições singularidade de ser apenas Bracher, dono de seu estilo, senhor de si mesmo.
Aliás estilo próprio de alguns mineiros como Guimarães Rosa, Carlos Drummond de Andrade e Guignard, o dono das Minas Gerais. Vindo de uma geração que não conheceu pessoalmente o grande divisor da pintura em Minas, Bracher não teve a influência do mestre fluminense-mineiro, o que em Minas, e em especial na sua geração, é de um heroísmo impar. Mas, sábio, deixou-se influenciar por seu amigo, o velho mestre de Barbacena, Emeric Marcier. Houve uma época em que ambos usavam a respiração do suporte como parte da cor da composição e o ocre era a cor preferida dos dois. Esta, como se sabe, é de difícil colocação. Tempos da década de 80, quando o mestre de Barbacena ainda contribuía para a grandeza de Minas e influenciava gente brilhante da geração que se seguiu à dele.

Seus trabalhos comprovam a asserção de que tudo na vida é a longo prazo, mesmo para os talentosos de maturidade absoluta.

* Psicólogo. Psicanalista. Membro do Círculo Psicanalítico de Minas Gerais, do Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais, da Associação Brasileira de Críticos de Arte e da Associação Internacional de Críticos de Arte 

Fonte: www.portalartes.com.br

Um comentário:

Unknown disse...

Como sempre, artigos excelentes! Um grande abraço!

Andrea Cecconie
Manchester, MI

A SAGA LANDELL MOURA

    Racismo, praga daninha Cesar Vanucci “Detesto futebol. Detesto ainda mais porque as pessoas  estorvam e inundam as avenidas para faz...