sexta-feira, 22 de agosto de 2014




Internet, prodígios e problemas


Cesar Vanucci*

“Abominável!” (Ministro Gilberto Carvalho, sintetizando o caso da adulteração dos perfis de jornalistas na Wikipédia).


Esse caso das adulterações nos perfis de jornalistas na Wikipédia não pode deixar de ser devidamente investigado. O autor da mesquinha ação, visivelmente executada com o intuito de desqualificar o trabalho profissional e a conduta social das vitimas, precisa ser identificado e punido. O que ocorreu, conforme irretocável definição do Ministro da Secretaria Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, foi abominável.

Cuidemos de relembrar conceitos preciosos para ficarem bem gravados na memória. A liberdade é apanágio da democracia. A discordância no plano das ideias faz parte do jogo. Jogo que compreende regras éticas bem claras. Pode ser que os jornalistas alvejados sejam vistos na avaliação de uns e outros, por conta das analises feitas sobre questões econômicas e sociais palpitantes, como destacados interpretes do pessimismo deplorável que medra hoje em parte da mídia nativa. Mas isso não serve de molde, maneira alguma, para justificar qualquer torpeza clandestina de desfiguração publica de seus currículos. A lição de Voltaire permanece íntegra: “Não concordo com uma só palavra do que dizeis, mas defenderei até a morte vosso direito de dizer”.

O episodio remete-nos a um problema global danado de perturbador. A cada dia que passa, ficam mais evidenciados os riscos que todos corremos em função da utilização impropria, ao arrepio das leis, do bom senso, dos saudáveis ditames da convivência comunitária harmoniosa, desse prodigioso instrumento de comunicação chamado internet.

A internet foi criada dentro de uma concepção mágica da vida. Como forma de exalta-la em sua exuberância suprema. Símbolo maiúsculo deste nosso admirável mundo novo foi inventada para aproximar e não para subtrair. Para beneficiar e não prejudicar. Para louvar e não desmerecer. Em suma, para dignificar e não apequenar o ser humano. Mas acontece que figurinhas de baixo astral, de mal com a vida, malfeitores e espertalhões de todos os matizes e em todas as latitudes, trafegando na contramão da história, fazem de um tudo para deturpar a generosa proposta da internet. Procuram colocá-la a serviço de nebulosos e ignóbeis designíos.

São muitas as distorções detectadas sob as mais diferenciadas circunstancias, nesse capitulo da comunicação social massificada. Um sistema de comunicação de proporções tão assombrosas que voo algum de imaginação, o mais ousado possível, jamais teria conseguido concebê-lo em passado próximo de nós.  Um dos processos utilizados que mais condenações suscitam por parte da opinião pública é essa constante propagação de teorias conspiratórias na base da mais rematada esquizofrenia. Personagens exponenciais da cena pública são alvejados por aloprados em maquiavélicas maquinações. “Especialistas” permanentemente entocaiados à espera de chances para assacar infâmias contra a reputação de adversários. Algo, visto está, que provoca repugnância nas consciências bem formadas.

Diante de tudo quanto vem rolando no fascinante mundo da internet, a sociedade humana sente-se no direito de requisitar, agora, uma nova contribuição das mentes privilegiadas que a conceberam e se acham empenhadas em aperfeiçoá-la. O que se espera dessas mentes é que se lancem, com ardor, na descoberta urgente de soluções engenhosas capazes de conter desvarios e impedir o desvirtuamento dos nobres objetivos dessa tão fantástica conquista tecnológica.






Demência guerreira

Cesar Vanucci*


“Desconheço a guerra justa”. (Murilo Mendes)


Eis aqui um punhado de perguntas incômodas que pairam no ar, sem que ninguém com suficiente conhecimento de causa se dê ao trabalho de responder, de modo a manter informada a patuleia ignara.
Onde ficam mesmo localizadas as inesgotáveis fontes de suprimento do material bélico fornecido aos litigantes, não importando lado ou tendência, nessas guerras que, neste momento, transformam tantas regiões do planeta em palco de inenarráveis tragédias humanitárias? É possível, como tantas vezes sucedeu no passado, que um mesmo fabricante ou um mesmo mercador de armas atue como prestador de eficientes serviços tanto para um quanto para outro dos valentes contendores? Será que, algum dia, a desprestigiada ONU e as arrogantes grandes potências, com ajuda da comunidade das nações, não se disporão a estabelecer, consensualmente, ações que identifiquem essas fontes de suprimento bélico, desarticulando-as em favor da paz e da confraternidade humana? Paz e confraternidade da qual todo esse conjunto de lideranças se intitula pomposamente arauto?


·    A demência guerreira que campeia por aí, ceifando vidas preciosas e reduzindo a escombros patrimônios materiais formidáveis, remete-me a uma cena incrível de anos atrás na televisão. Com estes olhos que a terra algum dia vai comer (na dependência de minha estrita vontade, só daqui muito tempo ainda), acompanhei na telinha as ações iniciais do conflito Iraque - Irã no Golfo Pérsico. De um lado da absurda contenda, os raivosos aiatolás. Do outro lado, ninguém mais, ninguém menos do que Sadam Hussein, à época festejado aliado dos Estados Unidos, apontado pela mídia como leal e altivo sentinela da “democracia” naquele conturbado pedaço de mundo.
Foi assim que me dei conta, espantado, da existência em carne e osso de um fabricante de armamentos. Ele discorreu com enorme entusiasmo sobre seu rendoso negócio. Enalteceu, na maior cara de pau, com abundancia de detalhes, a eficácia de seus excelentes produtos, garantindo-se capacitado a atender satisfatoriamente as volumosas encomendas do ditador iraquiano. Envergando luzidio uniforme de campanha, o homem exibiu ufano, diante das câmeras, apetrechos variados de seu mortífero estoque, enriquecendo a narrativa com multicoloridas ilustrações. Empresário paulista, com jeitão de rematado panaca, babava de contentamento, que nem garoto de grupo tomando sorvete na hora do recreio, ao descrever os danos pesados que as engenhocas destrutivas de seu arsenal  iriam produzir nas fileiras dos inimigos. As imagens daquele paranoico depoimento jamais foram esquecidas por representarem símbolo patético da pequeneza humana diante da aventura da vida.


·    Situações iniludivelmente distintas. Não dão margem a confusões. As manifestações de protesto contra as ações ordenadas pelos radicais de Israel em Gaza são legitimas. Eventuais reações antissemitas que despontem na esteira dessas manifestações fazem por merecer total repúdio. A ONU, com razão, proclama que “o conflito de Gaza não pode servir de pretexto para o preconceito”. Essa justa e irretocável interpretação dos fatos conduz, naturalmente, as pessoas de bom senso, alinhadas com o ideal da paz, a reconhecerem que, desafortunadamente, face aos padecimentos que lhes têm sido infligidos, os palestinos vêm sendo vítimas, há muito, de inaceitável discriminação. Da constatação resulta a certeza de que o preconceito não poderá jamais, também, ser aceito como motivação para o conflito de Gaza.



·    A rede de tuneis construída, a partir das terras palestinas, para infiltração de terroristas com tarefas de levar a cabo nefandos atos em áreas israelenses foi apontada como fator motivador dos ataques a Gaza. Cabe aqui uma observação. A rede detectada era bastante extensa, assegurou-se em relatório oficial. Faltou uma explicação. Porque cargas d’água, então, o noticiário nosso de cada dia, tão focado nos acontecimentos do Oriente Médio, não se ocupou, hora alguma, em descrever os incidentes, na certa frequentes, relacionados com as sabotagens e perdas de vidas inocentes supostamente produzidas nessas tresloucadas incursões?










Nenhum comentário:

A SAGA LANDELL MOURA

    Racismo, praga daninha Cesar Vanucci “Detesto futebol. Detesto ainda mais porque as pessoas  estorvam e inundam as avenidas para faz...