sexta-feira, 29 de julho de 2016





Festa memorável na Amulmig

Cesar Vanucci

“A palavra é o instrumental de um escritor, que a
 maneja na concretização de seus ideais literários.”
(Acadêmica Elizabeth Rennó)


O conceito e o prestígio da Academia Municipalista de Letras de Minas Gerais ficaram exuberantemente demonstrados, outra vez mais, com a sessão festiva de posse da diretoria que irá reger os destinos da instituição no próximo biênio. Festividade memorável, aglutinou personagens de alta representatividade cultural. Foram tantos a ponto de as dependências da charmosa sede da Amulmig, localizada no Alto das Mangabeiras, proximidades da praça do Papa, mostrarem-se até reduzidas para acolhê-los.

O Secretário de Estado da Cultura de Minas Gerais, Ângelo Oswaldo, saudou os membros da entidade em nome do Governador Fernando Pimentel. Integrantes de mais de duas dezenas de órgãos culturais e artísticos, da Capital e do interior, parlamentares, líderes classistas, dirigentes de Lions Clube, jornalistas também marcaram presença no concorridíssimo evento.

Possuído naturalmente de forte emoção, este escriba amigo de vocês assumiu a presidência da casa. Registrei na ocasião e repito agora: não há como não me sentir orgulhoso, mesmo consciente da acanhada bagagem cultural carregada, no momento em que o bastão de comando de uma organização da relevância da Amulmig me é passado por alguém do porte intelectual de Elizabeth Rennó. A laureada escritora e poeta foi guindada recentemente, por indiscutíveis méritos, à presidência da Academia Mineira de Letras. Trata-se da primeira mulher a assumir o posto na centenária e veneranda instituição. Isso, convenhamos, não é pouco, mesmo para quem, como ela, conseguiu escalar os cumes himalaianos da criação literária.

Em esplêndido pronunciamento, aplaudido com entusiasmo pela plateia, Elizabeth fez um circunstanciado apanhado histórico da entidade de que é associada desde 1990 e que dirigiu, com notável descortino, por oito anos. Enalteceu o papel desempenhado pelos seus antecessores na solidificação e contínua expansão do trabalho de difusão cultural executado pela Municipalista. Referiu-se, com simpatia e reverência, a todos eles: Alfredo Marques Viana de Gois, o fundador, Tasso Ramos de Carvalho, Jésus Trindade Barreto e Luiz Carlos Abritta. “Procurei, com as bênçãos de São Francisco, nosso patrono, exercer o fazer literário pela fraternidade e união entre os nossos acadêmicos, na doação da palavra, instrumental primeiro para um labor consciente”, foi o que afirmou num dos trechos do discurso. Mais adiante, ressaltou: “Longe de ser um organismo apático e desinteressado pelo mundo que o rodeia, as Academias de Letras têm como escopo, gravado no seu compromisso de posse, o pugnar pela pureza do idioma pátrio, procurando sempre os sítios do Bem, do Belo e da Verdade. A língua é a nossa pátria, digna em seu exato e claro desempenho, interpretada pelo nosso trabalho literário e acadêmico, louvada em ação participativa.” Noutro momento, lembrou que “a palavra é o instrumental de um escritor, que a maneja na concretização de seus ideais literários” e desejou “que a nossa palavra esteja voltada para as exigências da matéria e do espírito, na acepção tomista de que o ser é composto de corpo e alma”. Acrescentou: “Nesta dicotomia, é preciso separar o joio do trigo visando ao crescimento do ser.”

Também discursaram a presidente da Academia de Letras do Triângulo Mineiro, Ilcea Borba Marquez, e a governadora do Lions, Maria Jorge Abrão de Castro.

Junto com a diretoria, foram também empossados os componentes dos Conselhos Superior e Fiscal, das Comissões de Avaliação, Relações Públicas e de Artes. A composição da diretoria da Amulmig ficou sendo a seguinte: presidente, Cesar Pereira Vanucci; ex-presidente, Elisabeth Fernandes Rennó de Castro Santos (também presidente do Conselho Superior); primeiro vice-presidente, Maurício Braga de Mendonça; segunda vice-presidente, Maria Auxiliadora de Carvalho e Lago; secretária-geral, Maria Lúcia de Godoy Pereira; primeira secretária, Marilene Guzella Martins Lemos; segundo secretário, João Quintino da Silva; primeira tesoureira, Ângela Togeiro Ferreira; segunda tesoureira, Maria Armanda Capelão Ferreira; primeira bibliotecária, Maria de Lourdes Rabello Villares e segunda bibliotecária, Eva Maria Queiróz.

Pronunciamento de Cesar Vanucci na posse como presidente da AMULMIG, em 19 de julho de 2016



Antes de tudo mais, uma sincera palavra de agradecimento aos que aqui comparecem. São presenças sumamente honrosas. Tornam feérico e amorável este nosso evento.

Caríssimos amigos,
Prezados confrades,
 Chego à presidência desta Academia com incontível júbilo no coração. Não há como ocultar ainda um certo sentimento de orgulho, mesmo consciente  da acanhada bagagem cultural que carrego.
Como não desfrutar, à larga, de tão gratificantes emoções, num momento em que o bastão de comando de uma instituição da importância cultural da Amulmig me é passado por alguém do porte intelectual de Elizabeth Rennó? Esta laureada escritora e poeta acaba de ser guindada, por méritos amplamente reconhecidos pela comunidade cultural, à presidência da Academia Mineira de Letras. É a primeira mulher a galgar o posto na centenária trajetória da veneranda instituição. Isso não é pouco, mesmo para quem, como ela, conseguiu escalar cumes himalaianos da criação literária.
Devo confessar agora, em lisa e leal verdade, não saber senão muito poucas coisas. Não ouso, em sendo assim, assegurar sejam os atributos por mim trazidos suficientes para dar continuação, com a mesma fecundidade empreendedora, às ações promovidas nesta confraria da inteligência, arte e cultura.
O brilhante Acadêmico Luiz Carlos Abritta, presidente emérito, define a Amulmig como “um oásis de confraternização, solidariedade e amizade”. Está coberto de razão.
Pretendo, com o concurso dos valorosos companheiros da diretoria e demais acadêmicos, colocar todo empenho em favor da sustentação - se possível, da ampliação - do brilhante trabalho levado avante até aqui por esta instituição, de maneira que ela possa continuar sendo um pujante centro de irradiação cultural.
Faço parte dos quadros da Municipalista desde 2008. Mas acompanho suas atividades há mais tempo.
A saudosa conterrânea Eva Reis, festejada poeta, convidou-me para saudá-la na sessão, idos de 60, em que se deu seu ingresso nesta Casa.
Na saudação, sustentei que a música popular brasileira oferece extraordinário manancial poético. Recorri a uma certa fala de Manuel Bandeira em que o vate pernambucano, craque nacional na manifestação poética, destacou o verso “tu pisavas nos astros distraída”, de Orestes Barbosa, na linda canção “Chão de estrelas”, em parceria com Silvio Caldas, como o mais belo da poesia brasileira.
O que sobreveio estava fora do enredo. Ilustre membro da Amulmig, intelectual renomado, já não mais em nosso convívio, discordou de minhas singelas observações. Aparteou-me com veemência, introduzindo na cerimônia, pra surpresa geral, inusitada polêmica.
O inesperado lance ajudou-me a compreender aquilo que, muitos anos depois, o nosso estimado Murilo Badaró, saudoso presidente da Academia Mineira de Letras, andou explicando em sábio pronunciamento: as academias não comportam dissidências, mas em razão do acendrado respeito à liberdade de expressão, são palco permanente de naturais divergências.
As discordâncias não impedem o entendimento convergente quanto à missão institucional, constante do compromisso ético e dever cívico de zelar pela cultura e pelo idioma.
A celebração da vida – proclamam humanistas e espiritualistas – é escorada nas diversidades. Diversidade no plano das ideias, das crenças, das atitudes comportamentais, dos hábitos e dos costumes. O todo assombroso do cosmos e da natureza é composto de variedades e diversidades.   Acatar a diversidade, respeitar as diferenças, como fazem na plenitude do exercício democrático os órgãos representativos da cultura, são formas de resistir às impertinências dos radicalismos bolorentos que, na hora presente, tantos malefícios provocam na convivência social.    

Amigos diletos,
Vou guardar desta sessão festiva imorredouras lembranças. Dessas lembranças que a gente costuma depositar com ternura no escaninho da memória em que se alojam anotações marcantes de nossa peregrinação pela pátria terrena.

Senhoras e senhores,
Não resisto à tentação de uma palavrinha sobre minhas origens. Nasci em Pouso Alegre, maravilhoso burgo do Sul de Minas. Mas despertei mesmo para a vida consciente em Uberaba, lugar repleto de fascínios, inclusive no plano místico.
Saí de Uberaba em 1965. Mas Uberaba não saiu, jeito maneira, de mim. Naquelas paragens tomadas pelas ondulações verdejantes dos chapadões sem fim, delineando exuberante fronteira agrícola, embasei minha preparação para o jogo da vida.
Por conta do apego à leitura, incentivado pelos meus saudosos pais, Tonão e Tonica, deixei-me enfeitiçar, meninote, pela magia da palavra.
Pela prosa requintada de Machado.
Pelo linguajar incomparável de Guimarães, desenhista de tipos esfuziantes na maneira singela de agarrar as dádivas da existência, projetadas nas emoções e paixões das multidões anônimas.
Pelo verbo incandescente de Monteiro Lobato, para ficar em apenas três dos escritores brasileiros de minha especial predileção. Pelo inconformismo social jorrado do verbo de Castro Alves. Pelo lirismo impregnado de cores e sons brasileiríssimos dos cânticos de Catulo da Paixão Cearense. Injustamente envolto, que nem acontece também com Lobato, nas brumas do esquecimento nesses tempos de banalização do termo celebridade, Catulo foi, com certeza, o primeiro violão da grande sinfônica poética nacional. Júlio Verne foi um escritor estrangeiro que frequentou, assiduamente, meus devaneios na meninice.
Engajei-me em Uberaba num sem número de projetos culturais. Participei, “benjamim” da turma, do time fundador da Academia de Letras do Triângulo.
Editei, em diário local, um suplemento literário semanal. Colaborei na constituição de clube de cinema, companhia teatral e instituição consagrada ao folclore.
Fui professor de Técnica de Redação no primeiro curso de Jornalismo em Minas.
Integrei o primeiro grupo de trabalho constituído pelo MEC visando a elaboração de estudos para a criação de um sistema educativo de tevê.
Enfrentei duras, mas reconfortantes porfias, travadas com ardor em favor dos direitos sociais.
Fiz em Uberaba descobertas essenciais. Aprendi que fora da solidariedade social não há saída. Aprendi que a salvação do homem, como explicava Tristão de Athayde, não vem do leste nem do oeste, do norte nem do sul. Não promana - acrescento prontamente - das lateralidades ideológicas incendiárias.  Voltando a Tristão de Athayde: A salvação do homem vem do Alto.
Descobri também que cada ser humano carrega dentro de si uma cidadania cósmica. E que, na estonteante escala sideral, as coisas não são tão fantásticas quanto a gente imagina, mas bem mais fantásticas do que a gente jamais conseguirá imaginar, como propôs Pierre Teilhard de Chardin.
Advogado do Sesi, convidado a ocupar a Superintendência Geral do Sistema Fiemg, vim de muda para Belo Horizonte, cidade que me concedeu honroso título de cidadania, por generosidade do ex-vereador José Domingues. Participei, na linha de frente executiva, por quase quatro décadas, do arrojado programa de obras culturais, educacionais e sociais levado a cabo pelas instituições da indústria.
Em minha tenda de trabalho no Sesi nasceu, recebeu batismo, foi formatada e, depois, espalhada a todos os pontos do País, a famosa “Ação Global”, matriz dos programas sociais de atendimento comunitário em alta escala.
Presidi a Universidade do Trabalho e na direção da Redeminas de Televisão criei numerosos programas de conteúdo cultural.
No Lions Clube, concorri para a estruturação da Academia Mineira de Leonismo, sendo seu atual presidente.
Aprendi a amar BH em sua vocação para práticas humanísticas e sociais, de larga influência em meu destino espiritual e profissional.
Fortaleci, também, em BH, minhas crenças democráticas, minha ojeriza por qualquer forma de opressão às liberdades.
Centro de excelência do pensamento político nacional, BH merece ser ainda admirada nas afirmações soberbas de sua cultura e artes erudita e popular.

Senhoras e senhores,
Conferindo dinamismo e vibração às ideias, a palavra é pura magia. Aliás, Ronsard garante ser a única magia. E tudo porque, segundo o pensador, a alma é conduzida e regida pela palavra e a palavra é sempre dona do coração.
Os praticantes do ofício das letras, conscientes de que sua arte é forma sublime de expressão dos sentimentos, usam do poder mágico da palavra para celebrar a vida. Utilizam seu talento para espalhar beleza, expandir a consciência humana, apontar trilhas, criar condições perenes de ascensão social.
Transformam o ato de viver numa aventura poética. “A vida se vive e se escreve”, proclama Pirandello.
Isso remete à constatação de que a palavra, como acontece também com os outros dons concedidos ao homem em sua infatigável busca do sentido das coisas, deve sempre revestir-se de significado social.
O valor que mais importa no processo civilizatório é o social. Reside aí a razão pela qual os arautos da palavra, em todas as modalidades, fazem jus a reconhecimento como ministros da palavra social.
A honrosa condição implica em assumir posicionamentos decisivos diante das coisas do mundo. Esse mundo de Deus, onde o tinhoso persevera em implantar enclaves. Mundo que anda precisado demais da conta de ser reconectado com sua humanidade.
No confuso e conturbado contexto brasileiro, a palavra social não pode deixar de eleger a prevalência da conduta ética na vida pública como prioridade absoluta.
“Quando eu morrer, vou contar tudo a Deus!”
Este sofrido desabafo, estraçalhante prova dos horrores provocados pela insensatez humana, foi ouvido outro dia na boca de um garotinho sírio de rosto ensanguentado e olhar angustiado. Soa como sonora bofetada na cara dos “donos do mundo”.
Ricocheteia, com seu impacto acabrunhante, nas mentes e corações de toda a humanidade. “Quando eu morrer, vou contar tudo a Deus!”
Na verdade, são coisas demais a contar a Deus sobre o que anda acontecendo.
Há o flagelo da fome, o terror das guerras e as guerras do terror, abominadas pelas mães, conforme Horácio, e todas as calamidades delas decorrentes.
A fileira das agressões à dignidade humana é extensa. Sinistra onda de terrorismo, intolerâncias de cunho religioso, étnico e político no plano das ideias e dos costumes inspiram virulências contra criaturas indefesas em numerosos cantos do planeta.
As levas de refugiados atingem a contagem assustadora de sessenta e cinco milhões. Mais do que a população inteira somada da Argentina, Chile e Uruguai.
A corrida armamentista, que consome milhares de vidas e trilhões de metal sonante; a corrupção sistêmica, universal, corrosiva; as gritantes desigualdades na partilha das riquezas nascidas do labor da sociedade; a escassez de alimentos e de água; a miséria aviltante; a falta de assistência sanitária e de recursos educacionais básicos; tudo isso tendo por origem uma ordem social e econômica que – como não? – clama por revisão, são situações em frontal colisão com as propostas do projeto da criação desenhado nas planilhas divinas para o desfrute dos homens e mulheres de boa vontade.
Vamos lá. Como entender, à luz desse projeto, que as fortunas pessoais somadas dos oitenta caras mais ricos do mundo possam igualar-se ao patrimônio acumulado de metade da população do planeta, conforme denúncia da ONU?
Coisas demais a contar a Deus...

Meus diletos amigos,
Comentei pratrazmente que uma Academia, guardiã serena de saberes acumulados, depositária de caras tradições culturais – tradição inclusive do novo, sem que isso possa ser encarado como contrassenso - tem por objetivo relevante salvaguardar os valores da cultura nacional e a pureza do idioma. Monteiro Lobato não deixa por menos: o idioma é a Pátria!
Reportando-me aos valores citados é frustrante registrar a ocorrência, amiúde, em unidades do sistema educacional do incremento de comemorações alheias ao sentimento nacional, tipo halloween e quejandos, em detrimento de celebrações folclóricas e cívicas verdadeiramente representativas de nossa história, de nossas tradições populares.
Doutra parte, há que se deplorar, o emprego desabrido, como tanto se vê na televisão, na publicidade, na marquetagem de produtos, de vocábulos estrangeiros para classificar coisas óbvias do cotidiano. Essa macdonaldização da língua sinaliza claramente pauperismo intelectual, indigência cívica, subserviência cultural e babaquice ampla, geral e irrestrita.
Estabeleci em minha rotina alguns mecanismos de resistência a esse modismo desagregador. Para quem me traz um “book” pra avaliação, peço que retorne outro dia com seu currículo. A quem me promete dar um “feedback” costumo agradecer e perguntar se se trata de uma nova marca de uísque escocês ou de presunto neozelandês. Não entro em loja que anuncie queima com cartazes estampando “sale” e “off”. Em meus tempos de televisão recomendei enfaticamente aos colaboradores que substituíssem os tais de “breaks” por intervalo, pausa, por aí. Um amigo certa vez confessou não ousar mandar-me ir a um “fast food” com receio da resposta...

Ilustres convidados,
Deixei por último, nesta fala que não consegui fazer menos espichada, a reafirmação de minha crença nos valores caros da brasilidade. Mesmo em momentos marcados pelas adversidades é preciso aprender a cultivar o sentimento nacional.
O Brasil é maior, infinitamente maior, do que os problemas gerados pelos desatinos políticos e incompetência administrativa, que tanta indignação e frustração descarregam na alma das ruas. Não temos como desacreditar das virtualidades de nossa gente. Não temos também como desconhecer das potencialidades incomparáveis deste País continente.
No fundo, bem no fundo do coração, cada brasileiro transporta a esperança ardente de que as nuvens espessas deste momento conturbado possam ser em breve dissipadas. Poderosa egrégora energética, nascida nos corações fervorosos de brasileiros e brasileiras de boa vontade, haverá de inundar de luminosidade intensa os horizontes, anunciando a reavaliação de rumos na invasão do futuro. O Brasil é que nem o mar. Não se pode descrever o mar utilizando palavras referentes aos enjoos de travessias de curta duração.
Com criatividade, empregando adequadamente os recursos dadivosos, mercê de Deus disponíveis, conseguiremos certeiramente reabrir frentes de trabalho que permitam novos avanços econômicos e sociais.
O Brasil já deu mostras abundantes de que abomina a corrupção, os desmandos administrativos, a politiquice rasteira. Rejeita, também, a recessão econômica, por sentir-se credenciado a promover em alta escala, com possibilidades de êxito bem superiores às chances de outros países, o bem estar social almejado nas propostas do Estado, tantas vezes postergadas, e nas aspirações da sociedade.
Por absorver convictamente os conceitos expostos, prevaleço-me deste encontro amorável de hoje, com diletos amigos, para lançar um singelo livreto, intitulado “O Brasil bem brasileiro de JK”.
Assinalo no trabalho lances significativos da vida e obra do maior estadista brasileiro de todos os tempos.  O Nonô, de Diamantina, um cidadão que amou seu país, que sabia das coisas e que sabia também construir coisas grandiosas.
Considerei de oportunidade escrever e editar tal publicação atento às circunstâncias de que Juscelino Kubitschek de Oliveira foi alguém que encarnou admiravelmente o sentimento nacional; acreditou arrebatadoramente nas virtualidades e potencialidades deste País; projetou de forma exuberante, sem equivalência entre seus pares, um estilo de liderança do qual nos achamos terrivelmente carentes nesta hora de decepções e perplexidades.
É estimulante, muito estimulante, redescobrir JK nesta quadra da vida nacional.
Isso aí, minha gente.
As utopias são parte indissociável da aventura humana.
“Sonho, logo existo”, revelou alguém, algum dia, em algum lugar.
Desajeitado propagador de ideias que costumam roçar as fimbrias da quimera, não abdico, apesar de tudo quanto rola por aí, de minhas crenças humanísticas.
É a maneira que encontro de compreender e explicar o sentido da vida.

Flagrantes da solenidade festiva na sede da Amulmig

  
Deputado Federal Adelmo Leão e Cesar Vanucci


Secretário de Estado da Cultura Angelo Oswaldo, acadêmica Elizabeth Rennó, presidente da Academia Mineira de Letras, escritor José Humberto Henriques, Ilcea Borba Marquez, presidente da Academia de Letras do Triângulo Mineiro e Antônio Sérgio Marquez

Casal Sérgio Antônio Marquez, ela Ilcea, presidente da Academia de Letras do Triângulo Mineiro, Cesar Vanucci e Luiz Carlos Costa, diretor presidente do Diário do Comércio


Jornalista Rogério Zola Santiago, acadêmicos Marcio Sampaio e Rogério Faria Tavares (ambos da Academia Mineira de Letras) e promotora cultural Alcea Romano


Secretário de Estado da Cultura Angelo Oswaldo, acadêmicos
Luiz Carlos Abritta,  Ângela Togeiro e Elizabeth Rennó


Nenhum comentário:

A SAGA LANDELL MOURA

ENCONTRO CULTURAL INTERACADÊMICO - 18 DE FEVEREIRO

C   O   N   V   I   T   E A Arcádia Minas Gerais, a Academia Feminina Mineira de Letras, a Academia Cordisburguense de Letras Guimarãe...